Mundo

Venezuela acusa OEA de promover intervenção militar contra Nicolás Maduro

Handout .

O Governo venezuelano anunciou este sábado que vai recorrer à Organização das Nações Unidas (ONU) e outras instâncias internacionais para denunciar o secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA), Luís Almagro, acusando-o de promover uma intervenção militar na Venezuela.

"A Venezuela denunciará, perante a ONU e outras instâncias internacionais, Luís Almagro, que de forma vulgar e grotesca ostenta a Secretaria-Geral da OEA por promover uma intervenção militar na nossa pátria e atentar contra a paz da América Latina e das Caraíbas", anunciou a vice-presidente da Venezuela, na sua conta do Twitter.

Delcy Rodríguez reagia a declarações de Luís Almagro, feitas na sexta-feira em Cúcuta, Colômbia. O secretário-geral afirmou que não se deve descartar uma intervenção militar contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro.

"Almagro pretende reviver os piores expedientes de intervenções militares imperialistas na nossa região, cuja estabilidade está seriamente ameaçada pela demencial atuação de quem usurpa de forma desviada e abusiva a Secretaria-Geral da OEA", escreveu numa outra mensagem.

O secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA) afirmou, na sexta-feira, que não se deve descartar uma intervenção militar contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro e insistiu na necessidade de ajuda humanitária para os venezuelanos.

"Quanto a uma intervenção militar para derrubar o Governo de Nicolás Maduro, acho que não devemos descartar nenhuma opção", disse Luís Almagro, acusando o regime venezuelano de cometer "crimes contra a humanidade" e de provocar o sofrimento da própria população.

Almagro frisou ainda que nunca se viu "um Governo tão imoral no mundo, que não admite ajuda humanitária" e disse que a cidade de Cúcuta é o lugar que "melhor exemplifica as mentiras da ditadura", insistindo na necessidade de "muitíssimos recursos" e "esforços especiais" para ajudar dos venezuelanos.

"A comunidade internacional tem de dar uma resposta a isto. A comunidade internacional é responsável e não pode permitir uma ditadura na Venezuela. Uma ditadura que afeta a estabilidade de toda a região, a partir do narcotráfico, a partir do crime organizado, a partir da profunda crise humanitária que criou", disse.

Nesse sentido, frisou ainda que os venezuelanos são vítima de repressão: "Mas uma repressão distinta inclusive à das demais ditaduras que temos tido no continente", referiu.

Lusa

  • Avião presidencial de Donald Trump investigado por peritos em explosivos
    0:54

    Mundo

    O Air Force One foi alvo de uma investigação por uma equipa especializada em explosivos devido a uma suposta ameaça. A operação foi montada, depois de uma mulher ter conduzido um carro até à base militar de Maryland, onde se localiza o avião presidencial de Donald Trump e ter alegado que no interior do carro estavam explosivos.

  • Saiba como escolher o melhor Plano Poupança Reforma
    8:32
  • Este pode ser um natal de sonho para os fãs de Harry Potter

    Mundo

    Os estúdios da Warner Brothers, em Londres, vão abrir as portas na época natalícia. Entre os dias 10 e 12 de dezembro o grande salão de Hogwarts servirá de cenário para um jantar que promete transportar os fãs de Harry Potter até ao imaginário de J.K. Rowling. Os bilhetes estão disponíveis a partir da próxima semana.

  • A imagem que está a emocionar a Índia

    Mundo

    A fotografia de um menino a despedir-se do pai, que morreu durante um acidente de trabalho, está a emocionar a Índia. Tanto que, num só dia, os internautas conseguiram angariar mais de três milhões de rupias (cerca de 36 mil euros) para ajudar a família.

    SIC

  • "Eu chupo e você?", a campanha contra as palhinhas que já dão multas no Brasil
    2:36

    Mundo

    A partir de hoje, o Rio de Janeiro vai multar até 340 euros todos os comerciantes que ofereçam palhinhas de plástico aos clientes. Em caso de reincidência, as multas podem ultrapassar os 1200 euros. Isto meses depois de ter sido lançada no país a campanha #paredechupar para eliminar os “canudos de plástico” que podem demorar mais de 400 anos a degradar-se. Só na União Europeia, são usadas 36,4 mil milhões de palhinhas todos os anos. Em todo o mundo, os números devem chegar aos mil milhões por dia.