Mundo

Passagem do tufão Mangkhut faz 13 feridos em Macau

Um novo balanço das autoridades de Macau regista um aumento de oito para 13 no número de feridos em resultado da passagem do tufão Mangkhut, que causou para já 155 incidentes naquele território.

O balanço parcial, feito até às 17:00 (10:00 em Lisboa), refere que a maioria dos casos registados pelo Centro de Operações da Proteção Civil (OPC) diz respeito a queda de reclamos, toldos, janelas e outros objetos (81), danos em construção, queda de reboco e outros objetos (28), queda de árvores (21) e de andaimes (12).

Para já foram reportados sete casos de inundações, uma das grandes preocupações das autoridades de Macau, uma vez que os Serviços Meteorológicos e Geofísicos (SMG) elevaram hoje para o nível máximo o aviso de "storm surge" [maré de tempestade], devido às fortes inundações nas zonas baixas da cidade.

Neste momento, o núcleo do tufão severo Mangkhut está a cerca de 80 quilómetros, e a afastar-se de Macau, tendo atingido terra perto da cidade chinesa de Taishan, mas continua a causar “grande ameaça ao território”, com graves inundações e rajadas de vento na ordem dos 160 quilómetros.

A placa de estacionamento do Aeroporto Internacional de Macau, que chegou a estar submersa, obrigou ao cancelamento de todos os voos previstos para hoje, informaram as autoridades.

O “impacto grave” do tufão já levou o chefe do Governo de Macau a emitir um despacho no qual se determina o encerramento de todos os serviços públicos na segunda-feira, com exceção daqueles integrados na estrutura da Proteção Civil e de representação exterior.

Todas as instituições de ensino superior em Macau também suspenderam a sua atividade no domingo. Já as instalações culturais sob a alçada do Instituto Cultural (IC), incluindo locais relacionados com a promoção do património, bibliotecas públicas, museus e salas de exposições, entre outras, serão encerradas na segunda e na terça-feira ao público para que se proceda à inspeção e limpeza daqueles espaços.

Às 14:00 (07:00 em Lisboa), as autoridades de Macau emitiram o aviso preto, o nível máximo, que ainda se mantém em vigor.

O COPC indicou que o trânsito em algumas vias das zonas baixas da cidade foi cortado.

As fortes inundações, que podem agora ultrapassar os 2,5 metros, podem comprometer o fornecimento de eletricidade nessas zonas, onde mais de cinco mil pessoas foram retiradas das habitações e mais de mil foram acolhidas nos 16 centros de abrigo do território, indicam as autoridades.

O sinal 10 de tempestade tropical, o máximo na escala de alerta, composta pelos sinais 1, 3, 8, 9 e 10, está içado em Macau desde as 11:00 (04:00 em Lisboa).

O COPC indicou ainda que sete pessoas tentarem atravessar a pé a ponte Nobre de Carvalho, tendo sido detidas pelo menos cinco. A proteção civil pediu à população que não cometa "atos irresponsáveis que possam sobrecarregar os trabalhos" de auxílio à população.

A Lusa contactou o consulado-geral de Portugal em Macau e Hong Kong, que referiu que não há registo de vítimas entre a comunidade portuguesa.

A tempestade tropical, classificada já como a maior do ano, causou pelo menos 49 mortos nas Filipinas e um em Taiwan.

Lusa

  • Esta casa foi construída por uma impressora 3D
    16:27
  • Dia extra na cimeira para se alcançar acordo sobre o clima
    1:21
  • O sonho americano
    12:13