Mundo

Quatro pessoas desenvolveram cancro após transplante de órgãos do mesmo dador

Quatro pessoas que receberam órgãos do mesmo doador desenvolveram posteriormente cancro da mama, revela esta quarta-feira um estudo citado nos média norte-americanos.

Rins, pulmões, fígado e coração foram retirados de um mesmo dador para serem implantados em quatro recetores diferentes e todos eles acabaram por ter cancro da mama depois da operação, segundo um estudo publicado no American Journal of Transplantation, que foi esta quarta-feira divulgado.

Os quatro doentes desenvolveram metástases e três deles morreram. O quarto doente conseguiu sobreviver depois de os médicos terem voltado a remover um dos rins doados e após ser submetido a múltiplos tratamentos.

A dadora, de 53 anos, não tinha nenhum problema médico conhecido, nem muito menos lhe foi diagnosticado qualquer tumor maligno nos seus órgãos.

O autor do estudo, professor de Nefrologia na Universidade de Amesterdão, Frederike Bemelman, qualificou este caso como "extremadamente raro".

"Há sempre um pequeno risco (...). Também há uma pequena probabilidade de que algo aconteça no processo", comentou o especialista.

A transmissão de uma neoplasia - cancro - após um transplante de um órgão acontece apenas cerca de cinco vezes em 10.000 intervenções e na maioria dos casos a tecnologia disponível não permite que seja detetada antes da doação.

A Diretora de Serviços Médicos da Organização Internacional de Transplantes, Elisabeth Coll, afirmou à agência EFE que "estes casos infelizes acontecem excecionalmente, porque são impossíveis de serem detetados antes".

"Antes de se fazer um transplante de qualquer órgão são realizados todos os testes possíveis para descartar qualquer transmissão neoplásica", salientou a responsável.

Lusa

  • "Foi feito um estudo para que fossem criadas condições de segurança para a pedreira estar em laboração"
    4:04
  • Greve dos funcionários judiciais mantém-se até 31 de dezembro
    1:48

    País

    Os funcionários judiciais vão continuar em greve para exigir o estatuto profissional e a contratação de cerca de mil funcionários que faltam em todo o país. Na próxima quinta-feira, reúnem-se com o Ministério da justiça e esperam chegar a acordo nas negociações. Caso contrário, mantêm as greves agendadas para este ano e para o próximo.

  • SIC foi à procura de explicações um mês após a fuga de três arguidos do tribunal do Porto
    13:21
  • Seleção nacional defronta hoje a Polónia para a Liga das Nações
    1:44