Mundo

Rússia suspende voos espaciais tripulados após incidente com foguetão Soyuz

Imagem da câmara a bordo da Soyuz no momento do lançamento do foguetão.

ROSCOSMOS HANDOUT

A Rússia anunciou que vai suspender por tempo indeterminado todos os voos espaciais tripulados enquanto decorre a investigação ao que aconteceu hoje ao foguetão Soyuz. Os dois astronautas que estavam a bordo estão a salvo no Centro de Treino Cosmonauta Gararin na Cidade das Estrelas, nos arredores de Moscovo.

O cosmonauta Alexei Ovichinin, da Roscosmos, e o astronauta da NASA Nick Hague aterraram hoje de emergência no Cazaquistão devido a uma falha no motor, pouco depois da descolagem, do foguetão russo que os deveria transportar para a Estação Espacial Internacional.

O administrador da NASA, Jim Bridenstine, disse numa declaração que Hague e Ovchinin estão em boas condições de saúde e foram transportados para o Centro de Treino Cosmonauta Gararin na Cidade das Estrelas, nos arredores de Moscovo.

Acrescentou ainda que será iniciada "uma investigação apurada sobre a causa do incidente".

Astronauta da NASA Nick Hague (esq) conversa com o diretor da Roscosmos Dmitry Rogozin (direita) após a chegada atribulada à Terra

Astronauta da NASA Nick Hague (esq) conversa com o diretor da Roscosmos Dmitry Rogozin (direita) após a chegada atribulada à Terra

ROSCOSMOS HANDOUT

Em paralelo, um alto responsável russo disse que o país vai suspender os lançamentos espaciais tripulados até que sejam apuradas as causas da falha no foguetão espacial Soyuz.

O vice-ministro russo Yuri Borisov disse aos jornalistas que a cápsula do Soyuz se ejetou automaticamente do corpo do foguetão quando ocorreu a falha, apenas 123 segundos após o seu lançamento. Assegurou ainda que a Rússia vai partilhar com os Estados Unidos toda a informação relevante em torno deste acidente.

Falha no motor do foguetão após descolagem

O foguetão Soyuz partiu do cosmódromo Baikonur, no Cazaquistão, às 14h40, 9h40 em Lisboa. Pouco depois aterrou de emergência a uns 400 km de distância.

Os atronautas deveriam chegar à Estação Espacial Internacional (EEI) pelas 15h44, seis horas após a descolagem, para iniciar uma missão de seis meses na estação orbital.

Era a primeira missão para o norte-americano, que trabalha na NASA desde 2013. O russo já tinha completado uma missão de seis meses na EEI em 2016.

O momento em que há uma explosão no motor do foguetão Soyuz

O momento em que há uma explosão no motor do foguetão Soyuz

Shamil Zhumatov / Reuters

Kirill KUDRYAVTSEV / POOL