Mundo

Voo mais longo do mundo parte hoje de Singapura para Nova Iorque sem escalas

WALLACE WOON / EPA

O mais longo voo comercial do mundo parte hoje de Singapura com destino a Nova Iorque e percorrerá 16.700 quilómetros, sem qualquer escala, durante mais de 18 horas.

O voo inaugural, operado pela companhia aérea Singapore Airlines, partirá às 23:35 locais (16:35 em Lisboa) do aeroporto internacional de Singapura, Changi, e deverá chegar 18 horas e 45 minutos depois ao Aeroporto Internacional de Newark em Nova Iorque.

O serviço regular começa no dia 18 de outubro, segundo a agência EFE.

Segundo a companhia aérea, o Airbus A350-900ULR transportará 161 passageiros, 67 deles na classe "business" e outros 94 em "premium economy", tem mais espaço e um design especial para reduzir o conhecido "jet lag".

Até agora, o voo mais longo do mundo era o da companhia aérea australiana Qatar Airways que liga Doha à cidade de Auckland, na Nova Zelândia, um voo de 17 horas e 15 minutos que percorre uma distância de 14.200 quilómetros.

Lusa

  • PSP divulga fotos dos fugitivos do Tribunal do Porto e reforça dispositivo para capturar os três suspeitos
    1:16
  • "Acabámos com 6 jogadores da formação na equipa"
    1:27

    Desporto

    No final do jogo, João Manuel Pinto, treinador do Sertanense, mostrou-se orgulhoso com o trabalho da equipa, que joga no terceiro escalão do futebol português. Já Rui Vitória preferiu destacar a qualidade dos jogadores do Benfica que, apesar de serem menos utilizados neste inicio de época, estiveram em evidência.

  • "Pedro Proença quer que eu saia a todo o custo"
    3:00
  • Chuvas fortes afetam várias regiões em Espanha

    Mundo

    As chuvas fortes que afetam desde quinta-feira Espanha, as mais intensas da última década, estão a provocar problemas em várias regiões, em especial nas províncias da Comunidade Valenciana, mas sem registo de ocorrências graves nem danos pessoais.

  • Sextortion, o novo método de chantagem sexual na Internet
    2:17
  • Destruído mural de Vhils em Alcântara

    Cultura

    O mural, criado por Vhils, na parede da antiga fabrica da Sidul na Avenida da Índias, em Lisboa, foi esta quinta-feira destruído para dar lugar a um empreendimento urbanístico.