Mundo

Vaticano ordena investigação no Chile a caso de abusos sexuais a freiras

Alessandro Bianchi

Investigações sobre casos de abuso sexual na Igreja Católica do Chile levaram já à abertura de 139 processos

A Nunciatura Apostólica no Chile anunciou esta quinta-feira que o Vaticano vai investigar a Congregação das Irmãs do Bom Samaritano por abusos relatados por ex-freiras e que envolveu sacerdotes.

De acordo com um comunicado dos representantes diplomáticos do Vaticano no Chile, a investigação ficará a cargo da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, tendo sido nomeada a irmã Rosário Alonso, que será apoiada nesta tarefa pelo padre Maurizio Bridio, da Ordem dos Franciscanos.

O objetivo desta iniciativa será recolher as informações necessárias para um conhecimento profundo da instituição para ser transmitido ao Vaticano.

Grupo de freiras denunciou abusos sexuais numa congregação no Chile

Em 25 de julho, um grupo de freiras que deixou a Igreja Católica relatou abusos sexuais perpetrados por padres e ignorado pelas autoridades eclesiásticas na congregação Irmãs do Bom Samaritano na região chilena de Maule.

Em declarações à televisão chilena, as religiosas disseram, ainda, que também tinham sido vítimas de exploração laboral no convento localizado na cidade de Molina, a 210 quilómetros ao sul de Santiago.

Depois de terem denunciado os abusos, foram punidas e expulsas da congregação, acrescentaram.Segundo a Nunciatura Apostólica no Chile, as investigações no caso das freiras abusadas durarão pelo menos dois meses.

139 processos em investigação por abusos sexuais na Igreja Católica do Chile

As investigações sobre casos de abuso sexual na Igreja Católica do Chile levaram já à abertura de 139 processos que indiciam a existência de 245 vítimas, estando em investigação um total de 190 pessoas desde maio.

No início de agosto, num gesto de transparência da Igreja chilena, a Conferência Episcopal do país publicou uma lista com os nomes de bispos, sacerdotes e diáconos condenados, pela justiça civil ou canónica, por abuso sexual de menores.

Durante a sua viagem ao Chile, em janeiro, o papa pediu perdão pelos crimes de pedofilia cometidos por membros da Igreja Católica no país, referindo que sentiu "dor e vergonha" diante do "dano irreparável" causado às crianças vítimas de abuso sexual.

Mais tarde, o arcebispo de Malta, Charles Scicluna, foi enviado ao país para investigar casos de pedofilia na Igreja chilena, ouvindo as alegadas vítimas.

Na sequência das suas investigações, foi elaborado um relatório, que inclui 64 testemunhos, tendo o Papa pedido a colaboração do clero chileno "no discernimento das medidas que, a curto, médio e longo prazos, deveriam ser adotadas para restabelecer a comunhão eclesial".

Em maio passado, o papa mandou chamar os bispos chilenos ao Vaticano, tendo estes apresentado uma renúncia em bloco depois de reconhecerem que tinham cometido "erros graves e omissões".

Lusa

  • Esta casa foi construída por uma impressora 3D
    16:27