Opinião

O Sr. Germano

Já foi neste século, mas logo nos primeiros meses. Estava no Mindelo, em trabalho, mas o propósito da viagem não tinha nada a ver com política nem com literatura. Calhou cruzar-me com Germano Almeida.

A figura, imponente, sentou-se ali diante de mim. E ficámos horas à conversa. Como se nos conhecêssemos há muito, como se tivéssemos sido sempre amigos próximos.

Falamos de livros, de viagens, de política, de Portugal e de Cabo Verde, da lusofonia, da CPLP.

Ele não falou muito dele. Nada até. Nem dos seus livros (quem é grande, mesmo grande, não fala de si mesmo).

Falamos do mundo e de coisas mundanas.

Anos mais tarde, voltamos a cruzar-nos. Desta vez na minha Póvoa de Varzim. Foi estranho.

Parecia que nos tínhamos visto na véspera, que não tinham passado dias sem fim, e retomamos o abraço caloroso e a conversa interrompida dez anos antes.

Voltamos a falar do mundo, da política e das viagens, da lusofonia e da portugalidade, da língua. Das palavras.

Não sei se o Sr. Germano se lembrará disto com a nitidez que a minha memória guarda.

Admito que não. Afinal, ele é grande e eu sou apenas, como escrevia Eça de Queiroz, «um pobre homem da Póvoa de Varzim».

Não sei quando nos voltaremos a encontrar. Mas na simplicidade dele, tenho a certeza que vamos retomar a conversa no ponto onde ficou, como se fosse ontem;

E já estou a vê-lo, com aquele sorriso franco, aberto, leal, simples, como ele é.

Grande, no fundo.

  • Muitos planetas fora do Sistema Solar podem ter água

    Mundo

    Cientistas concluíram que muitos planetas fora do Sistema Solar podem ter até 50 por cento de água, baseando-se numa nova análise de dados obtidos do telescópio Kepler e do satélite Gaia, foi esta sexta-feira divulgado.