País

Marcelo Rebelo de Sousa admite candidatura às presidenciais de 2016 

O ex-líder do PSD, Marcelo Rebelo de Sousa, admitiu  hoje uma eventual candidatura às eleições presidenciais de 2016, afirmando  que não se exclui da corrida a Belém.  

"Não me estou a excluir (das presidenciais)", afirmou Marcelo Rebelo  de Sousa no seu habitual comentário de domingo na TVI, em que colocou dois  ex-primeiros-ministros e antigos líderes do PSD, Durão Barroso e Pedro Santana  Lopes, como potenciais candidatos. 

O ex-presidente dos social-democratas admitiu que o candidato de direita  mais bem colocado nas sondagens tem o "dever moral" de não dizer que não,  admitindo que a decisão e anúncio de candidaturas ocorra em maio ou junho  de 2015, a seis meses das presidenciais.   

No seu comentário dominical, Marcelo disse acreditar que Pedro Santana  Lopes, atual provedor da Santa Casa da Misericórdia e antigo primeiro-ministro,  quer ser candidato.  

Questionado pela jornalista Judite de Sousa se desta vez não dirá que  não será candidato "nem que Cristo desça à Terra", como disse em 1996 relativamente  à liderança do PSD, Marcelo respondeu: "Não digo eu, não diz o Barroso,  não diz ninguém." 

À esquerda, Rebelo de Sousa aponta dois nomes fortes às eleições: António  Guterres, ex-líder do PS e antigo primeiro-ministro, e António Costa, antigo  ministro socialista e presidente da Câmara de Lisboa, reeleito em setembro  com maioria absoluta.  

As próximas eleições presidenciais estão previstas para janeiro de 2016,  terminando o mandato de Cavaco Silva, apoiado nas duas eleições anteriores  (2006 e 2011) pelo PSD e CDS. 

 

    

Lusa

  • Já são apontados nomes para os candidatos às Presidenciais em 2016
    2:37

    País

    A mais de dois anos das eleições presidenciais, marcadas para Janeiro de 2016, a discussão sobre quem vai avançar para as eleições já começou. A imprensa escreve hoje que Santana Lopes será o primeiro. Aliás durante a semana, António Costa disse que não tinha dúvidas sobre a candidatura do ex primeiro-ministro, que entretanto já veio desmentir a notícia. À esquerda aparece o nome de Sampaio da Nóvoa, o ex-reitor da universidade de Lisboa que diz estar disposto a tudo.