País

Cerca de 20% dos portugueses não têm acesso a uma alimentação saudável

Em Portugal, cerca de 20% da população não tem acesso a uma alimentação saudável, a maioria por razões económicas. Um estudo da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa mostra também que quem come mal tem mais doenças crónicas. Nomedamente diabetes, depressão e doenças reumáticas. Consomem por isso mais recursos de saúde: são mais vezes internados e precisam de mais consultas médicas do que a população que tem uma alimentação saudável.

"Este é um problema sério de saúde pública", diz Helena Canhão, a investigadora principal do estudo, explicando que "as carências alimentares" têm grande impacto não só na saúde das pessoas como em todo o sistema nacional de saúde".


O estudo conclui também que é nas regiões dos Açores, Madeira e Algarve onde há maior percentagem de insegurança alimentar. Ou seja, uma menor adesão ao regime mediterrâneo: recorrem menos aos azeite como principal gordura utilizada, consomem menos frutas e hortícolas e preferem as carnes vermelhas e processadas.

O trabalho foi realizado em 2015 e 2016 e tem por base um inquérito nacional feito a 5.653 pessoas.

  • Calor vai continuar até ao final da semana
    1:18
  • Governo promete resposta firme à detenção de portugueses na Venezuela
    1:59
  • 7 M€ para projetos em prol da igualdade de género

    País

    O Governo lança hoje um programa de financiamento de projetos de conciliação e igualdade de género, no valor de sete milhões de euros, disponibilizados no âmbito do mecanismo financeiro do Espaço Económico Europeu EEA Grants 2014-2021.

  • Juiz nomeado por Trump diz que acusações de assédio sexual são "difamação" 
    1:23

    Mundo

    Há uma segunda acusação de assédio sexual contra o juíz nomeado por Donald Trump, para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos. Uma mulher, de 53 anos, acusa Brett Kavanaugh, de a ter assediado na década de 80 quando ambos frequentavam a universidade. Tal como já tinha acontecido com a acusação anterior, tanto o juíz quanto a Casa Branca negam as alegações e dizem que é uma campanha para difamar o homem escolhido pelo presidente Trump.