País

Sindicatos independentes de professores admitem greve

Kim Hong-Ji / Reuters

Seis sindicatos independentes de professores enviaram uma carta ao ministro da Educação para reclamar uma reunião urgente destinada a abordar questões relativas ao próximo ano letivo, carreiras, aposentação e precariedade, sob pena de avançarem para a greve.

As estruturas sindicais reuniram-se na semana passada para avaliarem as políticas do governo e decidiram exigir respostas à equipa de Tiago Brandão Rodrigues. Os professores e educadores querem discutir com o ministro questões relacionadas com a organização do próximo ano letivo, como as condições e os horários de trabalho, mas também o descongelamento da carreira, em janeiro.

À semelhança das federações sindicais afetas à CGTP e à UGT, estas organizações querem também negociar, a curto prazo, um regime especial de aposentação e a garantia de um novo concurso para vinculação extraordinária de docentes.

Pretendem também rever o modelo de administração e gestão escolar. Subscrevem o documento a Associação Sindical de Professores Licenciados (ASPL), a Pró-Ordem, o Sindicato de Educadores e Professores Licenciados pelas Escolas Superiores de Educação e Universidades (SEPLEU), o Sindicato dos Educadores e Professores de Ensino Básico (SIPPEB), o Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE) e o Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades (SPLIU).

Os sindicatos afirmam que esperam reunir com o ministro "a curtíssimo prazo" para obterem respostas, esclarecimentos e compromissos, sob pena de terem de "ponderar outras formas de luta, entre as quais o recurso à greve"

Lusa

  • Fenprof recusa data para encontro proposta pelo Ministério
    0:48

    País

    A Fenprof lançou hoje um ultimato ao ministro da Educação. Os professores já tinham pedido uma reunião com a tutela para que se decidisse um plano para resolver reivindicações de progressões na carreira, aposentação, entre outras. O prazo terminou hoje estando apenas marcado um encontro dia 6. Mário Nogueira disse esta manhã, em conferência de imprensa, que essa data não serve e marca o dia 1 para anunciar formas de luta para o mês de junho, que podem passar por manifestações e greves se até lá nada for decidido.

  • Docentes ameaçam fazer greve aos exames e avaliações
    1:51

    País

    Os professores ameaçam fazer greve aos exames e avaliações, se o Ministério da Educação não negociar um regime especial de aposentação. Em dia nacional de luta, organizado pela Fenprof, os docentes entregaram ao ministro da Educação 12 mil postais, com os anos de serviço que já têm e o tempo que falta para a reforma.

  • Professores admitem greve pelo regime excecional de aposentação
    5:54

    País

    Assinala-se hoje o Dia Nacional de Luta dos Professores, com concentrações de docentes em todo o país. Em Lisboa, os professores estão junto ao Ministério da Educação onde vão entregar milhares de postais com uma mensagem única. Os docentes exigem a aprovação de um regime excecional de aposentação e admitem que esta luta os pode levar à greve no próximo mês, disse à repórter da SIC Elsa Gonçalves o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira.

  • "Foi feito um estudo para que fossem criadas condições de segurança para a pedreira estar em laboração"
    4:04
  • Greve dos funcionários judiciais mantém-se até 31 de dezembro
    1:48

    País

    Os funcionários judiciais vão continuar em greve para exigir o estatuto profissional e a contratação de cerca de mil funcionários que faltam em todo o país. Na próxima quinta-feira, reúnem-se com o Ministério da justiça e esperam chegar a acordo nas negociações. Caso contrário, mantêm as greves agendadas para este ano e para o próximo.

  • SIC foi à procura de explicações um mês após a fuga de três arguidos do tribunal do Porto
    13:21
  • Seleção nacional defronta hoje a Polónia para a Liga das Nações
    1:44