País

"O resultado foi mau e foi pesado"

"O resultado foi mau e foi pesado"

Pedro Passos Coelho confirmou esta terça-feira que não se irá recandidatar a um novo mandato como presidente do PSD. Passos justificou a saída com os resultados das autárquicas e por entender que será mais vantajoso para o partido ter uma nova liderança. O líder social-democrata reconheceu ainda que os resultados eleitorais foram "maus e pesados".

"Se eu permanecesse vitorioso à frente do PSD, como líder do PSD, em vez de estar a construir uma alternativa de Governo, estaria em permanência a combater o preconceito e a ideia feita de que estava agarrado ao poder do partido e de que estava a resistir ceder o lugar a quem tem melhores ideias, melhores estratégias para levar o partido a melhor porto", justificou Pedro Passos Coelho, numa intervenção perante o Conselho Nacional, aberta à comunicação social.

Passos Coelho reiterou que não se demitirá na sequência de eleições locais e assegurou que "o partido não ficará em gestão".

"Mas como não saio ileso deste resultado não posso deixar de tirar dele consequências para futuro", disse. Torna-se "muitíssimo claro" que essa consequência "se exprime na decisão de não me apresentar a uma recandidatura", acrescentou.

Passos Coelho foi, até esta terça-feira, o segundo presidente do PSD mais duradouro, logo atrás de Cavaco Silva, dez anos líder do partido, e à frente de Durão Barroso, que exerceu essas funções por cinco anos.

À frente do PSD desde 26 de março de 2010, e reeleito em 2012, 2014 e 2016, sem nunca ter tido oposição interna organizada, Passos Coelho exerceu o cargo de primeiro-ministro entre junho de 2011 e novembro de 2015, em dois Governos sucessivos em coligação com o CDS-PP, embora o segundo tenha durado menos de um mês, na sequência do chumbo do programa do executivo no parlamento pela esquerda.

No primeiro executivo, o líder do PSD governou a maior parte do tempo sob assistência financeira externa, na sequência do pedido de resgate de 2011, ainda por um Governo socialista. Essa coligação voltou a ser a força mais votada nas eleições legislativas de 04 de outubro de 2015, com 38,5% dos votos, mas PSD e CDS-PP perderam a maioria absoluta na Assembleia da República, o que acabou por ditar o destino desse Governo minoritário.

Já na oposição, Passos Coelho foi reeleito líder do PSD em março de 2016, com 95% dos votos, novamente sem adversários, embora ao longo dos últimos dois anos tenham sido vários os críticos assumidos à estratégia da direção, nomeadamente o ex-presidente da Câmara Rui Rio que já era dado como certo na disputa da liderança antes das autárquicas.

Com Lusa

  • Passos Coelho disponível para sair até dezembro
    2:26

    País

    Pedro Passos Coelho não vai recandidatar-se à liderança do PSD, após o resultado das eleições autárquicas. O ainda presidente do partido mostra-se também disponível para sair até dezembro, se essa for a vontade do conselho nacional.

  • Decisão de Passos Coelho "é muito digna"
    0:55

    País

    Luís Marques Mendes deixou esta terça-feira elogios a Passos Coelho pela decisão. José Eduardo Martins diz que na prática Passos Coelho não tinha outra opção, senão não se recandidatar à liderança do PSD. Numa inauguração de um escritório de advogados, estive também presente Miguel Relvas que se recusou a comentar a decisão do líder do partido.

  • António Vitorino diz que Passos mostrou ser "um homem sofrido"
    1:38

    Opinião

    Pedro Santana Lopes admitiu esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias estar a ponderar candidatar-se à liderança do PSD. O ex-líder dos social-democratas partilha o espaço de comentário com António Vitorino, que diz que viu "um homem sofrido" durante o discurso de Pedro Passos Coelho.

  • Conselho Nacional do PSD reunido em Lisboa
    2:10

    País

    Pedro Passos Coelho anunciou esta terça-feira que não se vai recandidatar à liderança do partido. Esta noite, decorre o conselho nacional do PSD, no qual Passos Coelho poderá revelar os motivos da sua decisão, como nos explica a jornalista da SIC Débora Henriques.

  • Polémica na cirurgia do hospital da Guarda
    3:38

    País

    O diretor de cirurgia do Hospital da Guarda está debaixo de fogo por escolher as próteses de um laboratório de que é consultor, no tratamento de hérnias inguinais. O médico Augusto Lourenço justifica a opção, dizendo que por culpa da administração, não há concursos públicos para a aquisição de material cirúrgico.

  • E de nós, quem cuida?
    23:13
  • Pais e irmãos separados há 40 anos nos Açores continuam à procura dos que partiram
    7:07
  • "O dinheiro era dos dois": Maria Leal reage às acusações de Francisco
    9:51
  • Portugueses marcham em Londres contra o Brexit
    2:05
  • Arábia Saudita confirma morte do jornalista, Trump acredita mas resto do mundo pede responsabilidades
    2:02