País

Tempestade tropical Ophelia aproxima-se dos Açores

A tempestade tropical Ophelia, que deverá passar a furacão na próxima madrugada, continua esta quarta-feira a trajetória de aproximação aos Açores, informou o Centro de Previsão e Vigilância Meteorológica dos Açores.

"Neste momento, a previsão indica que a trajetória mais provável é passar a sul da ilha de Santa Maria, do grupo oriental arquipélago, no sábado, dia em que os efeitos poderão ser sentidos neste grupo, que inclui a ilha de São Miguel", informou o meteorologista Carlos Ramalho, da delegação regional dos Açores do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Em comunicado, disponibilizado na página do Facebook da delegação, o IPMA refere que às 15:00 locais (mais uma hora em Lisboa) "o centro da tempestade tropical Ophelia, localizava-se a 1.245 quilómetros a sudoeste dos Açores, verificando-se um aumento da intensidade do vento nas últimas horas".

O vento médio é agora de 110 quilómetros/hora e as rajadas na ordem dos 140 quilómetros/hora.

"O ciclone Ophelia está a deslocar-se para este a seis quilómetros/hora e espera-se que continue a intensificar-se nas próximas horas, atingindo a categoria de furacão nas próximas oito horas", esclarece o IPMA, observando que "o ciclone deverá manter-se quase estacionário nas próximas horas", mas prevê-se que a partir de quinta-feira "comece a deslocar-se para nordeste" e, por isso, a aproximar-se do arquipélago dos Açores.

"Pela avaliação dos resultados dos diferentes modelos meteorológicos existe uma probabilidade muito baixa, inferior a 5%, de as ilhas dos grupos central e ocidental (Faial, Pico, S. Jorge, Graciosa, Terceira, Flores e Corvo) sofrerem influência deste ciclone", adianta o IPMA.

Já quanto às ilhas do grupo oriental, "a probabilidade de o ciclone influenciar o estado do tempo a partir da manhã de sábado em São Miguel varia entre 10 a 20% e em Santa Maria entre 30 a 40%".

Lusa

  • Diretor artístico demite-se do Museu de Serralves
    2:44

    Cultura

    Estão ainda por esclarecer as razões da demissão do diretor artístico do Museu de Serralves. João Ribas apresentou a demissão esta sexta-feira, um dia depois da inauguração da exposição do fotógrafo Robert Mapplethorp. A demissão foi associada a restrições a algumas imagens de cariz sexual explícito. Mas a Fundação de Serralves garante que foi o próprio João Ribas quem decidiu retirar duas obras da exposição. E sublinha que estava decidido desde o início apresentar as obras de cariz sexual explícito numa zona com acesso restrito.

  • Relação do Porto mantém em liberdade dois homens que violaram mulher inconsciente
    1:27

    País

    Há mais uma polémica em torno de uma decisão do tribunal da Relação do Porto. Chamada a reavaliar uma decisão da 1.ª Instância, a Relação entendeu que devia manter em liberdade dois homens que, em 2016, violaram uma mulher quando ela estava inconsciente. Os juízes dizem que a culpa dos dois homens é "mediana" e que a "ilicitude não é elevada".

  • Personalidades do futebol dizem que Ronaldo foi vítima de excesso de zelo
    2:03

    Desporto

    A UEFA vai anunciar o castigo de Cristiano Ronaldo na próxima quinta-feira, depois do cartão vermelho que o internacional português recebeu no jogo da Liga dos Campeões. O castigo pode ir de um a três jogos de suspensão. Várias personalidades do mundo do futebol acreditam que o jogador foi vítima do excesso de zelo do árbitro.