País

Bombeiros acusam Governo de "meter a carroça à frente dos bois" ao nomear líder da ANPC

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) considerou hoje que o Governo colocou "a carroça à frente dos bois" ao indigitar Mourato Nunes para dirigir a Proteção Civil sem antes consultar a Comissão Nacional de Proteção Civil.

Jaime Marta Soares falava à agência Lusa momentos antes de se reunir com o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, em Carnaxide, onde a Comissão Nacional de Proteção Civil será ouvida sobre a indigitação de Mourato Nunes para o cargo de presidente da Proteção Civil.

O presidente da LBP considerou que esta reunião, na sede da Autoridade Nacional da Proteção Civil, está "completamente ultrapassada", uma vez que deveria servir para analisar o perfil da pessoa a escolher para presidente da ANPC e isso já foi feito.

"Isto é nitidamente a carroça à frente dos bois. Eu pergunto qual a utilidade desta reunião? Fazer de nós o quê? Uns 'bibelots' que nos sentamos à volta de uma mesa para nos dizerem que o presidente é fulano e nós acenarmos com a cabeça", questionou.

Jaime Marta Soares assegurou que é precisamente isto que irá dizer ao ministro na reunião, ou seja que é preciso "ter mais respeito" em relação aos procedimentos que deviam ser adotados para esta nomeação.

Quanto à escolha do antigo comandante-geral da GNR Mourato Nunes para presidir a ANPC, o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses disse não se opor ao nome indigitado, que "tem um currículo invejável, mas contrapôs que o importante é as políticas e não os currículos.

"Isto não se faz com currículos do passado, nós queremos coisas para o futuro e o futuro tem de ser algo de novo", destacou Jaime Marta Soares, lembrando que o "atual sistema já deu o que tinha a dar, faliu".

O Ministério da Administração Interna (MAI) indigitou o antigo comandante geral da GNR Carlos Manuel Mourato Nunes para presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil, na sequência da saída do antecessor.

Eduardo Cabrita ouve hoje a Comissão Nacional de Proteção Civil "tendo em vista a nomeação".

A Comissão Nacional de Proteção Civil é presidida pelo ministro da Administração Interna e dela fazem parte delegados dos ministros responsáveis pelos setores da defesa, justiça, ambiente, economia, agricultura e florestas, obras públicas, transportes, comunicações, segurança social, saúde e investigação científica.

Fazem também parte da comissão o presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil e representantes da Associação Nacional de Municípios Portugueses, da Associação Nacional de Freguesias, da Liga dos Bombeiros Portugueses e da Associação Nacional dos Bombeiros Profissionais.

Participam ainda na Comissão representantes do Estado-Maior-General das Forças Armadas, da GNR, da PSP, da PJ, do Gabinete Coordenador de Segurança, da Autoridade Marítima, da Autoridade Aeronáutica e do Instituto Nacional de Emergência Médica. Os Governos Regionais podem participar nas reuniões da Comissão.

Licenciado em Ciências Militares e Engenharia Geográfica, Mourato Nunes passou também pelo Instituto de Altos Estudos Militares, onde concluiu o curso de oficial general e o curso geral de comando e Estado-Maior.

Até agora, Mourato Nunes era consultor de Segurança e Defesa.

A indigitação surge na sequência da demissão, em meados de outubro, do até então presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil, Joaquim Leitão.

Lusa

  • Piloto que morreu no Estoril terá ficado sem travões
    1:17
  • Empresa de segurança sob suspeita na Guarda
    4:47
  • O embaraço do príncipe Harry
    0:29