País

Investigador considera incompreensível que municípios não tenham Planos de Defesa

O investigador Xavier Viegas considerou esta quinta-feira incompreensível que existam municípios sem Planos Municipais de Defesa da Floresta Contra Incêndios aprovados e defendeu a responsabilização dos autarcas.

"Não é compreensível que existam autarquias que não respeitam a lei e não fazem o seu trabalho", sublinhou o diretor do Centro Estudos de Incêndios Florestais da Universidade de Coimbra, a propósito de um parecer jurídico, citado hoje na comunicação social, que desresponsabiliza a Ascendi e a EDP nos incêndios de Pedrógão Grande.

No seminário "As lições de Pedrógão Grande", que decorre esta quinta-feira em Coimbra, promovido pelo Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais, Xavier Viegas disse que "um plano pode ter o valor que tem, mas pelo menos representa que alguém se dedicou a pensar no problema e a colocar algumas linhas para ver como esse problema se pode minimizar ou resolver".

"Não havendo esse plano, obviamente muita coisa falha e, neste caso, perante a lei", disse o investigador, que defende alterações na legislação para se ultrapassar situações como a das limpezas junto das rodovias e das linhas elétricas.

O diretor do Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais considera que "não faz sentido que tenha de figurar no plano a obrigatoriedade de limpar estruturas como linhas elétricas e redes viárias, porque elas estão lá e não saem de um ano para outro".

Em declarações aos jornalistas, Xavier Viegas frisou que as condições climáticas como as que se verificaram nos incêndios de 17 de junho e 15 de outubro tendem a repetir-se cada vez com mais frequência.

"Neste momento, o nosso país ainda não está preparado. Se hoje ou amanhã tivermos as mesmas circunstâncias que tivemos em junho e outubro, que foram circunstâncias excecionais, tenho receio de que continuemos a ter muitas casas não devidamente salvaguardadas, muitas aldeias não devidamente preparadas e muitas comunidades que não estão ainda defendidas para eventos destes", sublinhou.

Para o investigador, "é necessário que o país aprenda, porque não se pode aceitar que as consequências sejam as mesmas" daqueles dois incêndios, que causaram mais de 110 mortes.

O seminário "As Lições de Pedrógão Grande" pretende analisar os acontecimentos relacionados com os incêndios de Pedrógão Grande e concelhos limítrofes, e discutir o relatório técnico elaborado pela equipa liderada pelo investigador Xavier Viegas.

Lusa

  • Ryanair acusada de compactuar com atitude racista de passageiro
    1:36

    Mundo

    Numa nova polémica a envolver a Ryanair, a companhia aérea low cost é acusada de compactuar com uma atitude racista, depois de um passageiro ter obrigado um comissário de bordo a mudar uma mulher negra de lugar. O caso já está a ser investigado pelas autoridades.

  • Barco com refugiados afunda a poucos metros da costa da Turquia
    2:21
  • Maior ponte marítima do mundo reduz para 45 minutos uma viagem de 4 horas
    0:56
  • Marques Mendes elogia ministro Siza Vieira por pedir escusa de certas decisões
    1:11

    Opinião

    Luís Marques Mendes diz que o Tribunal Constitucional vai arquivar o caso de eventual incompatibilidade do ministro Siza Vieira. Em causa está o facto de ter acumulado nos primeiros meses de exercício como ministro-adjunto o cargo de sócio-gerente de uma empresa. O comentador da SIC diz que o arquivamento acontece porque o ministro mudou de cargo. Sobre a situação atual, Marques Mendes não vê incompatibilidade e elogia atitude do ministro ao pedir escusa de certas decisões.

  • Uma semana depois da tempestade Leslie
    3:02
  • Adoções por militares dos EUA eram vistas na Terceira como uma bênção para as crianças
    5:16
  • Acordo histórico entre EUA e Rússia comprometido
    1:32