País

Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

O ex-secretário de Estado da Saúde diz também que "não conhecia nem tinha de conhecer a gestão remuneratória da instituição"e que não recebeu "qualquer favorecimento por qualquer relação pessoal", sublinhando que, desde que entrou para o executivo, não teve "nenhuma intervenção em processos de apoio à Associação Raríssimas".

Acrescenta ainda que, na origem da decisão de se demitir, esteve "a grave violação da privacidade da vida pessoal em termos e circunstâncias inadmissíveis e que ultrapassaram todos os limites".

  • Presidente da Raríssimas ainda não apresentou demissão formal
    2:16

    País

    A presidente da Raríssimas ainda não apresentou formalmente a demissão. A associação encontra-se agora num impasse. A Inspeção-Geral do Trabalho esteve esta quarta-feira nas instalações, num momento em que não há concelho fiscal e que não se sabe ao certo quantos membros da direção estão demissionários.

  • Vieira da Silva garante que não recebeu qualquer denúncia sobre Raríssimas
    4:07

    País

    O ministro da Solidariedade e da Segurança Social garante estar de consciência tranquila quanto à forma como agiu no caso Raríssimas, mesmo quando aprovou as contas da instituição que agora mandou auditar. Entretanto, a página do Facebook da Raríssimas voltou a estar operacional e nela vêem-se fotografias de Vieira da Silva a visitar, no mês passado, uma instituição ao lado de Paula Brito e Costa, isto já depois de ter recebido denúncias de irregularidades na instituição.

  • As dúvidas do ex-tesoureiro da Raríssimas que denunciou o caso
    1:03

    País

    Uma das pessoas que denunciou a polémica com a Raríssimas - o antigo tesoureiro - estranha que a ex-presidente da associação tenha em seu poder documentos confidenciais da instituição. Em Entrevista à SIC Notícias, esta quarta-feira, Ricardo Chaves questionou o novo nome alegadamente escolhido para liderar a Raríssimas e garantiu mesmo que, oficialmente, ainda ninguém recebeu o pedido de demissão de Paula Brito e Costa.

  • Direção da Raríssimas nunca questionou ilegalidade das contas
    1:05

    País

    A direção da Raríssimas nunca questionou a legalidade das contas e despesas apresentadas e justificadas. Segundo um vogal da associação, os valores eram fiscalizados regularmente. As declarações de Nuno Branco foram feitas esta quarta-feira, na Casa dos Marcos, na Moita, a obra mais visível da Associação Raríssimas.