País

PGR investiga atuação do MP no caso das adoções do lar da IURD

A Procuradora-Geral da República mandou abrir esta terça-feira um inquérito para investigar a atuação do Ministério Público no caso das adopções do lar da Igreja Universal do Reino de Deus, IURD.

Numa nota à comunicação social, a Procuradoria-Geral da República (PGR) refere que a matéria em questão está "intrinsecamente ligada com processos concretos que correram termos na jurisdição da família e crianças", área considerada de "especial e relevante" intervenção do Ministério Público (MP).

"Assim, por considerar que a atuação funcional do MP no âmbito deste universo de processos não pode deixar de ser objeto de análise, a Procuradora-Geral da República [Joana Marques Vidal] determinou a abertura de um inquérito com vista a averiguar a eventual existência de procedimentos incorretos ou irregulares" praticados pelo MP, esclarece a PGR, em comunicado.

A Procuradoria observa que este tipo de inquérito se encontra previsto no Estatuto do Ministério Público e tem por finalidade a averiguação de factos determinados.

A PGR recorda que, na semana passada, já tinha instaurado um inquérito-crime ao caso das adoções relacionadas com a IURD, observando que a investigação resultou de notícias sobre aquele assunto.

"Foi instaurado um inquérito-crime para investigar os factos ocorridos e o enquadramento jurídico-criminal dos mesmos", indicou a PGR.

A PGR adiantou que esta investigação é dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa e encontra-se em segredo de justiça.

A TVI tem vindo a exibir uma série de reportagens denominada "O Segredo dos Deuses", na qual noticia que a IURD esteve alegadamente relacionada com o rapto e tráfico de crianças nascidas em Portugal.

Os supostos crimes teriam acontecido na década de 1990, com crianças levadas para um lar em Lisboa, que teria alimentado um esquema de adoções ilegais em benefício de famílias ligadas à IURD que moravam no Brasil e nos Estados Unidos.

Segundo informações avançadas pela TVI, a IURD tem atualmente nove milhões de fiéis, espalhados por 182 países, 320 bispos e cerca de 14 mil pastores.

Esta igreja evangélica foi fundada no final da década de 1970, e é liderada pelo bispo Edir Macedo, considerado um os homens mais ricos do Brasil.

A IURD refuta as acusações de rapto e de um esquema de adoção ilegal de crianças portuguesas e considera-as fruto de "uma campanha difamatória e mentirosa".

Com Lusa

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Irmãos defendem IURD: "nós não fomos raptados, fomos adotados de forma legal"
    1:47

    País

    Duas das três crianças alegadamente roubadas à mãe numa rede de adoção ilegal na Igreja Universal do Reino de Deus dizem que foram adoptadas de forma legal por uma família norte-americana. Vera e Luiz Katz terão decidido depois passar a viver com a filha de Edir Macedo, quando já tinham mais de 20 anos. O terceiro irmão ter-se-à afastado da IURD e morreu há pouco tempo no Brasil.

  • IURD nega rede de adoção ilegal, Ministério Público investiga
    1:46

    País

    O Ministério Público já está a investigar a alegada rede de adoção ilegal, ligada à Igreja Universal do Reino de Deus. A investigação segue-se à participação feita há uma semana pela Segurança Social depois das denúncias de uma reportagem da TVI sobre adoções ilegais de crianças em Portugal feitas por pastores e bispos da Igreja Universal do Reino de Deus.

  • Novo aeroporto "em banho-maria"
    0:24
  • Medina explica que a Casa do Presidente foi concedida a uma empresa privada em 2014
    0:31

    País

    O presidente da Câmara de Lisboa explica que residência oficial é um "nome histórico" que ficou atribuído à Casa do Presidente da Villa, que foi concedida a uma empresa privada em 2014. A autarquia recebe 2600 euros por mês pelo aluguer do espaço. Fernando Medina acrescenta que a figura do presidente de Câmara não tem nenhuma residência oficial. 

  • Morte do jornalista saudita foi "monstruosamente planeada"
    0:45

    Mundo

    O porta-voz da Turquia, Omer Celik , acredita que a morte do jornalista Jamal khashoggi foi um crime planeado de forma monstruosa. O jornalista terá sido assassinado dentro do consulado saudita em Istambul. O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, promete revelar toda a verdade sobre o caso.

  • Jovem de 16 anos aponta arma à cabeça da professora em França

    Mundo

    Dois alunos de uma escola em Créteil, na França, foram detidos depois de terem apontado uma arma à professora. Num vídeo filmado e divulgado por colegas, é possível ouvir o aluno a pedir à professora para lhe tirar a falta de presença, ao mesmo tempo que lhe apontava uma pistola de airsoft à cabeça.

  • Há um bufo no Manchester United e Mourinho quer descobrir quem é
    0:34
  • Barco com refugiados afunda a poucos metros da costa da Turquia
    2:21