País

Mais de 30 casos suspeitos de sarampo relacionados com o Hospital de Santo António

A Direção-Geral de Saúde (DGS) declarou esta quarta-feira "a existência de um surto" de sarampo em Portugal, depois de terem sido confirmados sete casos daquela doença na região Norte do país.

Num comunicado divulgado esta quarta-feira, a DGS refere que "a presente situação na Região Norte configura a existência de um surto" de sarampo. A DGS recorda que até terça-feira tinham sido "notificados na Região Norte dois casos de sarampo, aparentemente não relacionados, confirmados laboratorialmente em adultos não vacinados".

Destes dois pacientes, um "encontra-se internado, clinicamente estável", refere.

Entretanto, até às 21:00 desta quarta-feira, o Hospital de Santo António, no Porto, "reportou 32 casos suspeitos de sarampo com relação laboral ao hospital". Desses 32 casos, refere a DGS, oito "foram já testados laboratorialmente no Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge", tendo cinco sido "confirmados como casos de sarampo".

"Estão internados três doentes, um deles em situação clínica instável", adianta a DGS.

No total, desde terça-feira foram confirmados sete casos de sarampo no norte do país.

De acordo com a DGS, "está em curso a investigação epidemiológica detalhada da situação, que inclui a investigação laboratorial de todos os casos".

No comunicado divulgado, a DGS recomenda que as pessoas verifiquem os boletins de vacinas e que, caso seja necessário, se vacinem contra o sarampo, recordando tratar-se de "uma das doenças infeciosas mais contagiosas podendo provocar doença grave, principalmente em pessoas não vacinadas".

No caso de pessoas vacinadas, "a doença pode, eventualmente, surgir, mas com um quadro clínico mais ligeiro e menos contagioso".

A DGS aconselha ainda a "quem esteve em contacto com um caso suspeito de sarampo e tem dúvidas" que ligue para a Linha Saúde 24 (número 808 24 24 24)

Deve também ligar para aquela linha quem tiver "sintomas sugestivos de sarampo (febre, erupção cutânea, conjuntivite, congestão nasal, tosse)". Com esses sintomas, a DGS recomenda que "não se desloque e evite o contacto com outros".

O sarampo provocou 35 mortes no ano passado, incluindo uma em Portugal, só num conjunto de 50 países da região europeia, onde se registaram mais de 20 mil casos em 2017.

No ano passado, Portugal teve dois surtos simultâneos de sarampo (num total de 29 casos), que chegaram a provocar a morte de uma jovem de 17 anos.

Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), "cada nova pessoa afetada pelo sarampo na Europa relembra que crianças e adultos não vacinados, independentemente de onde vivam, continuam em risco de contrair a doença e de a passar a outros que possam ainda não estar vacinados".

O sarampo é uma doença grave, para a qual existe vacina, contudo, o Centro Europeu de Controlo de Doenças estima que haja uma elevada incidência de casos em crianças menores de um ano de idade, que ainda são muito novas para receber a primeira dose da vacina. Daí que reforce a importância de todos os outros grupos estarem vacinados de forma a que não apanhem nem transmitam a doença.

Segundo os dados de 2017, mais de 87% das pessoas que contraíram sarampo não estavam vacinadas.

Lusa

  • Sarampo: o que é, como atua e como prevenir
    1:31

    Sarampo

    Um em cada 100 casos de sarampo pode ter complicações graves e levar à morte. A vacina é a única forma de prevenção, como explica a Sara Antunes de Oliveira. "Vídeo originalmente publicado a 19.04.2017"

  • Sete casos de sarampo confirmados

    País

    O número de casos de sarampo confirmados em Portugal aumentou para sete. Cinco destes casos são profissionais de saúde do Hospital de São João, no Porto. A confirmação foi feita esta quarta-feira, na SIC Notícias, pela Diretora-Geral da Saúde, Graças Freitas.

  • Polícia britânica acredita que ataque junto ao Parlamento foi ato isolado
    2:15
  • Donald Trump acusa ex-assessora de ser "um cão"

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump aumentou esta terça-feira o tom do confronto com a antiga assessora Omarosa Manigault Newman, que chegou a ser a afro-americana com estatuto mais elevado na Casa Branca, designando-a como "esse cão!".