País

Governo anuncia 240 viaturas para combate aos fogos

PAULO NOVAIS/ LUSA

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, anunciou esta quarta-feira no parlamento a adjudicação, por ajuste direto, de 240 viaturas ligeiras e pesadas para o combate aos incêndios florestais do próximo verão.

Segundo Eduardo Cabrita, 140 viaturas vão para o Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) e para o Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR, enquanto 80 destinam-se aos corpos de bombeiros e as restantes 20 à Força Especial de Bombeiros (FEB).

Eduardo Cabrita apontou uma "mobilização que permitiu, por ajuste direto, a adjudicação de 140 viaturas ligeiras e pesadas para as estruturas de combate inicial e de combate ampliado, tal como também a aquisição de 100 viaturas, quer para corporação de bombeiros, relativamente a 80 viaturas, quer para a FEB".

O ministro participa esta quarta-feira à tarde na Assembleia da República num debate sobre o relatório da comissão técnica independente para a análise dos incêndios de 14 a 16 de outubro do ano passado, que provocaram 49 mortes.

O governante avançou com algumas medidas para a próxima época de incêndios florestais, como a profissionalização nos bombeiros voluntários, nomeadamente equipas profissionais em todas as áreas de intervenção de risco prioritário.

Eduardo Cabrita referiu que as corporações de bombeiros voluntários vão ter mais oito dezenas de equipas profissionais, ou seja, mais cerca de 400 elementos com estatuto profissional.

O ministro deu também conta de que vão ser colocados adjuntos de comando em toda a estrutura de comando para reforçar a coordenação na ligação entre a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) e os bombeiros.

Além do reforço nos GIPS e no SPNA da GNR, bem como nos sapadores florestais e guardas florestas, o ministro sublinhou que a ANPC está a ser dotada com os meios adequados de apoio técnico, tendo sido substituída a sua estrutura de topo.

"Estamos a garantir estabilidade na resposta no próximo verão", disse, frisando que a nova lei orgânica da ANPC vai estabelecer as regras de concurso e de profissionalização na escolha de quadros.

Lusa

  • Papa Francisco - entre a vulnerabilidade de um abalo e a oportunidade de uma reforma

    Papa e a tensão na Igreja

    Não é o tempo cronológico que define Francisco, mas o tempo da oportunidade, sem necessariamente sintonizar a ação com o tempo mediático. Esta circunstância pode dar um bom enquadramento de leitura para o «escândalo» dos abusos sexuais por parte de clérigos católicos. Mas o impacto mediático gerado pelo relatório da Pensilvânia e pela carta de um arcebispo a pedir a resignação do Papa, com a visita à Irlanda como pano de fundo, acabou por criar também uma oportunidade. Os próximos meses são por isso fulcrais para atenuar os danos e reconstruir laços de confiança nas instituições. Não há folga para oportunidades desperdiçadas. A pressão é elevada. A dimensão mediática não terá sido devidamente valorizada. Francisco ficou mais exposto às críticas e aos críticos.

    Joaquim Franco

  • Piloto que morreu no Estoril terá ficado sem travões
    1:17
  • Empresa de segurança sob suspeita na Guarda
    4:47
  • O embaraço do príncipe Harry
    0:29