País

Presidente da República espera acordo para a descentralização

Presidente da República espera acordo para a descentralização

O Presidente da República expressou hoje o desejo de ver aprovado o 'pacote' de medidas de descentralização de competências para as autarquias, esperando que haja acordo entre o Governo e o PSD.

"Espero que seja possível haver acordo que viabiliza a aprovação do 'pacote'" de medidas de descentralização de competências", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, à margem de uma visita ao Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo feminino, em Matosinhos.

Para o chefe de Estado, as medidas implicam meios financeiros, que devem corresponder às necessidades das autarquias, e tem ainda se ser sujeito a "condições administrativas e burocráticas".

"Para que seja um ideal que passa a realidade", disse, é preciso que "haja acordo", que este seja aprovado, que "haja dinheiro e haja condições administrativas e burocráticas para aplicar para que não seja uma frustração a seguir".

O jornal Público escreve hoje que as novas competências das câmaras municipais terão uma verba de 1,2 mil milhões de euros por ano. Ainda de acordo com o jornal, a disponibilização a nível nacional deste valor foi estabelecido em resultado das negociações entre o Governo e a Associação Nacional de Municípios e, mais recentemente, com o PSD.

O presidente do PSD, Rui Rio, indicou o presidente da Câmara da Guarda e dos Autarcas Sociais-Democratas, Álvaro Amaro, como representante do partido nas negociações com o Governo sobre descentralização.

  • Papa Francisco - entre a vulnerabilidade de um abalo e a oportunidade de uma reforma

    Papa e a tensão na Igreja

    Não é o tempo cronológico que define Francisco, mas o tempo da oportunidade, sem necessariamente sintonizar a ação com o tempo mediático. Esta circunstância pode dar um bom enquadramento de leitura para o «escândalo» dos abusos sexuais por parte de clérigos católicos. Mas o impacto mediático gerado pelo relatório da Pensilvânia e pela carta de um arcebispo a pedir a resignação do Papa, com a visita à Irlanda como pano de fundo, acabou por criar também uma oportunidade. Os próximos meses são por isso fulcrais para atenuar os danos e reconstruir laços de confiança nas instituições. Não há folga para oportunidades desperdiçadas. A pressão é elevada. A dimensão mediática não terá sido devidamente valorizada. Francisco ficou mais exposto às críticas e aos críticos.

    Joaquim Franco

  • Piloto que morreu no Estoril terá ficado sem travões
    1:17
  • Empresa de segurança sob suspeita na Guarda
    4:47
  • O embaraço do príncipe Harry
    0:29