País

Furo de prospeção de petróleo em Aljezur avança sem avaliação de impacto ambiental

ANT\303\223NIO PEDRO SANTOS

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) decidiu que não irá submeter a Avaliação de Impacte Ambiental a realização do furo de prospeção de petróleo do consórcio Eni/Galp, ao largo de Aljezur. A APA tinha até esta quarta-feira, um mês depois de ter terminado o período de consulta pública, para decidir se o furo seria sujeito a AIA.

Em conferência de imprensa, a APA apresentou esta tarde as conclusões do processo de apreciação prévia de sujeição a procedimento de Avaliação de Impacte Ambiental do projeto "Sondagem de Pesquisa Santola 1X". Segundo o presidente da APA, Nuno Lacasta, o projeto não é susceptível de causar impactes negativos significativos, por isso não carece de AIA.

No passado mês de janeiro, o Governo permitiu a prorrogação, por um ano, do período inicial de prospeção e pesquisa de petróleo na bacia do Alentejo, por considerar que o atraso na operação não podia ser atribuído ao consórcio.

No despacho de 8 de janeiro passado, citado pela Agência Lusa, o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, deferiu "a prorrogação requerida até à verificação da condição de conclusão dos procedimentos aplicáveis previstos no regime jurídico da avaliação de impacte ambiental".

O consórcio liderado pela petrolífera italiana Eni, que inclui a portuguesa Galp, estava contratualmente obrigado a realizar a primeira sondagem de pesquisa até 31 de janeiro de 2018. Mas o calendário acabou por ser alterado, devido a atrasos na aprovação do relatório sobre riscos graves e na emissão do título de utilização privativa do espaço marítimo.

Nos últimos anos, autarcas e diferentes associações ambientalistas e de desenvolvimento local têm-se manifestado contra a prospeção e exploração de petróleo no Algarve e na bacia do Alentejo.

Esta terça-feira, o Bloco de Esquerda (BE) considerou mesmo "absolutamente inaceitável" caso a APA viesse a dispensar de AIA o furo de prospeção petrolífera ao largo de Aljezur.

De acordo com elementos remetidos à APA pela ENI, o furo a realizar no mar a 46 quilómetros de Aljezur para avaliar as potencialidades do leito submarino terá uma profundidade de cerca de 1.070 metros de profundidade, sendo que a perfuração durará aproximadamente quatro dias (excluindo a mobilização e o posicionamento, cuja duração prevista é de três dias).

A prospeção e exploração de hidrocarbonetos têm sido contestadas por associações ambientalistas e de defesa do património, pela Comunidade Intermunicipal do Algarve, por cidadãos individuais, entidades empresariais e movimentos de cidadãos criados contra esta atividade, tendo já levado à apresentação de várias providências cautelares contra os contratos assinados pelo Estado e consórcios privados.

  • Marcha contra furo de petróleo em Aljezur
    2:22

    País

    Em defesa do clima e contra a prospeção de petróleo e gás natural no Algarve e Alentejo, realizou-se este sábado, em Lisboa, uma marcha que reuniu organizações ambientais, movimentos cívicos, autarcas e partidos políticos. Os manifestantes alertaram para os riscos ambientais e ecológicos que a prospeção de petróleo provoca.

  • Cidadãos protestam contra exploração de petróleo e gás no Algarve
    5:47

    País

    Uma marcha pacífica contra a exploração de gás e petróleo, na costa do Algarve e no litoral alentejano, realizou-se esta quarta-feira, em Lagos. A repórter da SIC, Conceição Ribeiro, esteve no local, onde falou com uma das organizadores da manifestação, que disse que um dos objetivos é exigir uma avaliação de impacto ambiental e sessões de esclarecimento para os cidadãos. "A Revolta da Santola" é o nome dado ao protesto contra o primeiro furo de prospeção em Aljezur.

  • Diretor artístico demite-se do Museu de Serralves
    2:44

    Cultura

    Estão ainda por esclarecer as razões da demissão do diretor artístico do Museu de Serralves. João Ribas apresentou a demissão esta sexta-feira, um dia depois da inauguração da exposição do fotógrafo Robert Mapplethorp. A demissão foi associada a restrições a algumas imagens de cariz sexual explícito. Mas a Fundação de Serralves garante que foi o próprio João Ribas quem decidiu retirar duas obras da exposição. E sublinha que estava decidido desde o início apresentar as obras de cariz sexual explícito numa zona com acesso restrito.

  • Relação do Porto mantém em liberdade dois homens que violaram mulher inconsciente
    1:27

    País

    Há mais uma polémica em torno de uma decisão do tribunal da Relação do Porto. Chamada a reavaliar uma decisão da 1.ª Instância, a Relação entendeu que devia manter em liberdade dois homens que, em 2016, violaram uma mulher quando ela estava inconsciente. Os juízes dizem que a culpa dos dois homens é "mediana" e que a "ilicitude não é elevada".

  • Personalidades do futebol dizem que Ronaldo foi vítima de excesso de zelo
    2:03

    Desporto

    A UEFA vai anunciar o castigo de Cristiano Ronaldo na próxima quinta-feira, depois do cartão vermelho que o internacional português recebeu no jogo da Liga dos Campeões. O castigo pode ir de um a três jogos de suspensão. Várias personalidades do mundo do futebol acreditam que o jogador foi vítima do excesso de zelo do árbitro.