País

Chuva vai continuar e a culpa é do anticiclone dos Açores

Max Rossi

A chuva vai continuar em Portugal continental pelo menos até ao início da próxima semana, uma situação que segundo a meteorologista Ângela Lourenço se deve à posição do anticiclone dos Açores.

Em declarações hoje à agência Lusa, a especialista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) explicou que "é normal chover no verão", mas o que é "menos comum" é a persistência de dias em que esta ocorre.


"Se pensarmos no dia isoladamente é uma situação normal. As pessoas falam muito das trovoadas e da chuva, mas é uma situação típica de verão. Aqui o que talvez possa não ser tão comum é a persistência, a sequência de dias em que estas condições meteorológicas se repetem poderá não ser tão comum acontecer", disse.


De acordo com a Ângela Lourenço, a situação está relacionada com o posicionamento do anticiclone dos Açores.


"Está relacionado com o facto de o anticiclone dos Açores se encontrar muito para oeste permitindo que as regiões depressionárias, aquelas que poderão dar ocorrência de precipitação, estejam mais nas latitudes de Portugal continental e na Península Ibérica. É uma situação que pode acontecer no verão e acontece com alguma frequência, mas a persistência é que não é tão comum", salientou.


A meteorologista adiantou que as condições meteorológicas previstas para hoje e para o fim de semana vão ser semelhantes ao que têm sido nos últimos dias.


"Vamos ter nebulosidade matinal, que atinge quase todo o litoral oeste e o interior do Alentejo que tem tendência a dissipar ao longo da manhã, embora possa persistir na faixa costeira ocidental", disse.


Durante a tarde de hoje, acrescentou a especialista do IPMA, está prevista a ocorrência de aguaceiros com possibilidade de ocorrência de trovoadas, granizo e rajadas fortes em particular nas regiões mais a norte.


"Por causa desta situação, o IPMA emitiu aviso amarelo para os distritos de Viana do Castelo, Braga, Vila Real e Bragança [até às 21:00 de hoje] . Nestes distritos e nas regiões interiores, mais montanhosas, mais nas serras e até junto à fronteira com Espanha podem desenvolver-se trovoadas mais severas", explicou.


No domingo, segundo Ângela Lourenço, está previsto um agravamento do estado do tempo mais generalizado em todo o território com ocorrência de aguaceiros e possibilidade de trovoadas, podendo ocorrer até na região sul.


No que diz respeito às temperaturas, a tendência é para baixarem, mas não de forma significativa.


"Para hoje e amanhã [sábado] vão registar-se valores próximos dos 30 graus ou mesmo superiores no interior (31/32 graus). No domingo, a tendência é para baixarem, registando-se valores entre os 25 e os 30 graus no interior e no litoral", disse.

Lusa

  • O tempo para hoje
    1:01

    País

    Para esta sexta-feira o IPMA prevê nebulosidade matinal no litoral oeste e Alentejo que pode persistir.

  • Ainda não é em julho que o calor de verão aparece
    1:09

    País

    O mês de junho foi o segundo mais chuvoso dos últimos 18 anos, segundo o IPMA. Mas ainda não é este mês que o calor de verão aparece. As previsões indicam que nas próximas semanas as temperaturas vão continuar mais baixas do que o costume e vai continuar a chover acima da média.