País

Quando PS converge com PCP a vida melhora

Lusa

O secretário-geral comunista considerou hoje que quando o PS converge com o PCP a vida em Portugal melhora, no debate parlamentar sobre o estado da nação, questionando o primeiro-ministro sobre se quer prosseguir o caminho.

"Nestas e em tantas outras medidas está a marca do PCP, da nossa iniciativa e proposta, e a prova de que, quando o PS converge com o PCP, a vida dos trabalhadores e do povo melhora. Se não se foi mais longe, foi porque o Governo e o PS fizeram outras opções e decidiram-se por outras convergências", disse Jerónimo de Sousa, após enumerar diversas iniciativas de devolução de remunerações ou reversões da política da anterior governação PSD/CDS-PP.

O líder do PCP defendeu ser preciso "ir mais longe na defesa, reposição e conquista de direitos", salientando o aumento geral de salários, pensões, reformas e apoios sociais, por exemplo, reiterando a "política, alternativa, patriótica e de esquerda", com um "eixo central": a "revogação das normas gravosas da legislação laboral" e o combate à precariedade, baixos salários e horários desregulados.

"Que caminho, afinal, quer o Governo fazer?", inquiriu Jerónimo de Sousa.

Segundo o secretário-geral comunista, nos "dois últimos anos e meio, onde a reposição de direitos e rendimentos, onde anseios e preocupações dos trabalhadores e do povo tiveram resposta, ainda que limitada e insuficiente, a vida avançou no sentido certo", mas "onde se mantiveram opções do passado e da política de direita, onde o Governo travou os avanços e se acentuaram a convergências entre PS PSD e CDS, os problemas mantêm-se ou agravam-se".

"Partilho consigo do balanço claramente positivo destes dois anos e meio. Eu percebo que temos aqui uma relação desigual. O sr. deputado [Jerónimo de Sousa] pode escolher a parte boa da lua que deseja e eximir-se à outra parte. Eu assumo a lua por inteiro em todos os seus ciclos. Este é o caminho que queremos continuar a percorrer, entendemos que há condições, e com a companhia com quem temos estado a percorrer", respondeu António Costa.

O primeiro-ministro recordou as muitas medidas adotadas por proposta de PEV, PCP, BE, PS e até do programa Governo, ajustadas ao ritmo dos parceiros, mas destacou que o executivo também se responsabilizou pelas "outras medidas que tornam todas estas viáveis e sustentáveis".

António Costa voltou a defender a nova proposta de lei do Governo para alterar a legislação laboral, após acordo em concertação social, uma vez que considera que vai combater a precariedade, relembrando os 300 mil novos postos de trabalho criados nesta legislatura, dos quais 85% foram contratos sem termo, além do maior processo de integração nos quadros do Estado que alguma vez foi feito.

Lusa

  • Taxistas cumprem terceiro dia de protesto contra a "lei Uber"
    2:29
  • Mais de uma centena de mortos em naufrágio no Lago Vitória, na Tanzânia
    1:19
  • Sporting vence Qarabag

    Liga Europa

    O Sporting estreou-se esta quinta-feira na fase de grupos da Liga Europa com uma vitória em Alvalade, sobre o Qarabag, por 2-0.

  • Marcelo despediu-se da "fascinante aventura" do ensino
    2:51
  • Outubro é o momento da verdade nas negociações do Brexit
    1:37

    Brexit

    Os líderes europeus dizem que outubro é o momento da verdade nas negociações do Brexit. Prometem empenho mas esperam também novas propostas de Theresa May. E só se houver progressos será marcada uma reunião extraordinária em novembro para formalizar o acordo. A reportagem é dos correspondentes da SIC Susana Frexes e Bruno Andrade.