País

Fogo em Monchique começou há uma semana

FILIPE FARINHA/ LUSA

Mais de 1.300 bombeiros e dois meios aéreos combatiam ao início da manhã de hoje o incêndio que lavra há uma semana em Monchique (Algarve), segundo os dados da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).


De acordo com a ANPC, no combate às chamas em Monchique estavam envolvidos 1.356 operacionais, apoiados por 438 viaturas e dois meios aéreos.


Este incêndio, segundo os dados mais recentes disponibilizados pelo Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais (EFFIS), já destruiu cerca de 27.000 hectares, tornando-o no maior este ano em Portugal.


O maior incêndio, em termos de área ardida, que este ano se tinha verificado em Portugal era o que deflagrou em fevereiro na Guarda, onde arderam 86 hectares.


Segundo os dados do EFFIS, as chamas em Monchique já destruíram 26.957 hectares, mais de metade dos 41 mil que arderam na mesma região em 2003, nos concelhos de Monchique, Portimão, Aljezur e Lagos.


Segundo informações divulgadas na quinta-feira pela Proteção Civil, o perímetro do incêndio de Monchique ultrapassou os 100 quilómetros.


As chamas desde incêndio, que deflagrou na localidade de Perna Negra, já provocaram 39 feridos, um deles em estado grave, obrigaram a evacuar diversos aglomerados populacionais e uma unidade hoteleira.


Segundo a Proteção Civil, na noite de quinta-feira o incêndio estava "globalmente estabilizado".

No ano passado, as chamas destruíram mais de 440 mil hectares, o pior ano de sempre em Portugal, segundo dados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).


Quanto aos maiores incêndios em termos de área ardida ocorridos no ano passado, no topo da lista aparece o que teve origem no dia 15 de outubro, em Seia/Sandomil, no distrito da Guarda, que destruiu 43.191 hectares.

Com Lusa

  • Sobe para 39 número de feridos no fogo de Monchique
    1:02

    País

    A Proteção Civil subiu para 39 o número de feridos no incêndio que começou há sete dias em Monchique, dos quais 21 são bombeiros. O único ferido grave continua a ser uma idos, internada em Lisboa. A 2.ª Comandante Nacional informou que o risco de reativações continua elevado e que, por isso, todos os meios vão continuar no terreno. Patrícia Gaspar não deu o incêndio como dominado mas sublinhou que já não existem frentes ativas e que a situação está estabilizada.

  • Marcelo não vai a Monchique para “não perturbar operações”
    3:21

    País

    Ao contrário do que aconteceu em Pedrógão, o Presidente da República e o primeiro-ministro têm-se mantido afastados do teatro de operações do incêndio de Monchique. Depois dos trágicos incêndios em 2017, que valeram duras críticas ao poder político, há comportamentos que se repetem.

  • "Cerca de 50" casas destruídas em Monchique

    País

    O número de casas destruídas total ou parcialmente durante o incêndio que deflagrou na sexta-feira em Monchique, no Algarve, pode chegar a "cerca de 50", disse esta quinta-feira à agência Lusa o presidente da Câmara, Rui André.

  • Ministro saudita diz que morte de jornalista é um "erro grave"
    0:31
  • As imagens da festa privada que acabou mal nos EUA: piso colapsa e arrasta dezenas de jovens
    0:31