País

Dez agentes investigados pela morte de português em Manchester

Clodagh Kilcoyne

Dez agentes da Polícia da Grande Manchester, no norte de Inglaterra, estão a ser investigados pela morte do português André Moura após a sua detenção em julho, informou hoje o organismo fiscalizador da polícia.

"Três dos agentes foram informados de que estão sujeitos a uma investigação criminal e os outros sete foram informados de que há uma indicação antecipada de que o seu comportamento pode ser considerado má conduta grave", indicou a Agência Independente para a Conduta da Polícia (IOPC).

Todos os dez agentes estiveram no local da prisão de André Moura, de 30 anos, no dia 6 de julho em Oldham, onde a polícia foi chamada perto das 23:30 horas em Oldham devido a um "incidente doméstico". Após a detenção, Moura foi levado numa carrinha da polícia para o posto de Ashton-under-Lyne, onde foi encontrado inconsciente. Uma ambulância levou o português para o Hospital Tameside, onde foi confirmado que morreu por volta das 1:30 horas de sábado, 7 de julho.

Uma primeira autópsia não encontrou as razões da morte, pelo que as autoridades aguardam o resultado de mais testes, incluindo toxicológicos. Por ter morrido quando estava em custódia policial, a IOPC abriu uma investigação e entretanto recolheu e analisou imagens de videovigilância, filmagens feitas pelas câmaras usadas pelos agentes e vídeos feitos por cidadãos com telemóveis, além de ter interrogado vizinhos e testemunhas independentes.

A diretora regional do IOPC, Amanda Rowe, disse que a família estava a ser informada do decorrer da investigação. "Este é um caso muito sério e complexo, envolvendo um grande número de funcionários, o que requer uma investigação independente completa e rigorosa. No entanto, informar aos policiais que eles estão sujeitos a uma investigação criminal ou de má conduta não indica culpa", vincou.

Lusa

  • Avião presidencial de Donald Trump investigado por peritos em explosivos
    0:54

    Mundo

    O Air Force One foi alvo de uma investigação por uma equipa especializada em explosivos devido a uma suposta ameaça. A operação foi montada, depois de uma mulher ter conduzido um carro até à base militar de Maryland, onde se localiza o avião presidencial de Donald Trump e ter alegado que no interior do carro estavam explosivos.

  • Saiba como escolher o melhor Plano Poupança Reforma
    8:32
  • Este pode ser um natal de sonho para os fãs de Harry Potter

    Mundo

    Os estúdios da Warner Brothers, em Londres, vão abrir as portas na época natalícia. Entre os dias 10 e 12 de dezembro o grande salão de Hogwarts servirá de cenário para um jantar que promete transportar os fãs de Harry Potter até ao imaginário de J.K. Rowling. Os bilhetes estão disponíveis a partir da próxima semana.

  • A imagem que está a emocionar a Índia

    Mundo

    A fotografia de um menino a despedir-se do pai, que morreu durante um acidente de trabalho, está a emocionar a Índia. Tanto que, num só dia, os internautas conseguiram angariar mais de três milhões de rupias (cerca de 36 mil euros) para ajudar a família.

    SIC

  • "Eu chupo e você?", a campanha contra as palhinhas que já dão multas no Brasil
    2:36

    Mundo

    A partir de hoje, o Rio de Janeiro vai multar até 340 euros todos os comerciantes que ofereçam palhinhas de plástico aos clientes. Em caso de reincidência, as multas podem ultrapassar os 1200 euros. Isto meses depois de ter sido lançada no país a campanha #paredechupar para eliminar os “canudos de plástico” que podem demorar mais de 400 anos a degradar-se. Só na União Europeia, são usadas 36,4 mil milhões de palhinhas todos os anos. Em todo o mundo, os números devem chegar aos mil milhões por dia.