País

Presidente da Deco diz que tragédias foram potenciadas por ausência de políticas públicas

O presidente da Deco, Vasco Colaço, disse hoje que muitos dos fenómenos e tragédias intensificados pelas alterações climáticas foram "potenciados pela ausência de políticas públicas eficazes no planeamento e na gestão dos territórios e dos recursos naturais".

Vasco Colaço que falava na abertura da conferência internacional "Consumidores e Justiça Ambiental", no Porto, defendeu, aliás, que as alterações climáticas vieram evidenciar um problema para o qual os sistemas políticos não tem encontrado resposta, ao permitirem que as democracias representativas, tenham esquecido a procura do bem comum em detrimento da satisfação de grupos de interesse particular que agora encontram um campo fértil nos nacionalismo emergentes".

De acordo com os especialistas, salienta o presidente da Deco, as catástrofes de 2017 em Portugal marcaram uma nova geração de incêndios, onde a combinação entre alterações climáticas e monoculturas florestais, concentrando quantidades letais de combustível, tornam insuficientes os melhores dispositivos de combate.

"As estatísticas indicam que 98% dos incêndios são rapidamente extintos, mas os (restantes) 2% são responsáveis por 95% da área ardida. A conclusão que se retira é crua e implacável: para evitar incêndios devastadores em condições especialmente hostis provocadas pelas alterações climáticas, a chave está no ordenamento e não no combate", defendeu.

É neste contexto, acrescenta aquele responsável, "que emerge o conceito de justiça ambiental, que visa eliminar ou evitar que determinados grupos social e economicamente mais vulneráveis suportem uma parcela desproporcionada das consequências ambientais mais negativas geradas pelas alterações climáticas".

Segundo Vasco Colaço, já não chega intervir numa lógica preventiva, pelo que o movimento de defesa do consumidor deve ser mais ambicioso e assumir um papel decisivo naquilo que é a definição das políticas públicas que promovam a sustentabilidade ambiental e uma boa gestão dos recursos naturais.

"Iremos interpelar e responsabilizar os governos e as entidades públicas e privadas pelas decisões e comportamentos que provoquem agressões ao ambiente e ameaças à saúde pública. Iremos exigir as compensações devidas pelos prejuízos causados", afirmou.

Em declarações à margem da Conferência Internacional Consumidores e Justiça Ambiental, que decorreu no Centro de Congresso da Alfândega do Porto, e que é uma parceria com organização europeia do Consumidor, BEUC, que representa 66 associações, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, disse que Portugal está no bom caminho no que diz respeito à gestão do território, mas admitiu que "uma transformação de fundo num processo como este é de facto uma transformação que demora".

"Temos de nos atrever a desenhar uma nova paisagem. Esse é um exercício que nunca foi feito em Portugal e que está agora a começar a ser feito exatamente no seguimento do incêndio que aconteceu na serra de Monchique, envolvendo os concelhos de Monchique e de Silves", afirmou.

Para João Matos Fernandes, este novo desenhar da paisagem engloba "a compensação dos serviços de ecossistemas, isto é o pagamento direto àqueles que vão optar por usar o seu território com menos ganhos económicos diretos, mas cujos serviços de ecossistema que presta à comunidade são da maior importância".

Segundo o governante, as consequências dos incêndios de 2017 foram já muito mitigadas ao longo deste ano, fruto de um grande envolvimento dos portugueses nomeadamente na redução das queimadas.

Lusa

  • Presidente do Brasil indiciado por corrupção

    Mundo

    A polícia federal pediu na terça-feira o indiciamento do Presidente do Brasil, Michel Temer, e de outras dez pessoas investigadas num inquérito sobre supostos esquemas de corrupção no setor portuário do país.

  • O "amor cego" de Francisco por Maria Leal
    35:21
  • BCP ou o banco da Opus Dei?
    1:03