País

Governo não vai mudar proposta do tempo de serviço dos professores

Governo não vai mudar proposta do tempo de serviço dos professores

O executivo de António Costa mantém a intenção de completar o processo legislativo até ao final do ano.

Em relação ao braço de ferro entre professores e Governo, o Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros garante que o executivo espera que a legislação sobre o tema entre em vigor já no inicio do próximo ano. Tiago Antunes afirma que os professores só saírão prejudicados caso se isso não aconteça.

Sem propostas dos sindicatos

"O Governo tem atuado sempre de boa-fé, em cumprimento da norma que a Assembleia da República aprovou no orçamento passado e novamente este ano. O que diz é que o Governo deve negociar, tendo em conta a sustentabilidade e a compatibilização com os recursos disponíveis. O Governo, de boa vontade, apresentou uma proposta aos sindicatos, infelizmente do lado dos sindicatos não houve qualquer propostas e têm-se mantido irredutíveis", continuou.

Fonte oficial do executivo socialista já tinha dito à Lusa que o Governo só legislará esgotado um prazo de cinco dias para os sindicatos dos docentes pedirem uma reunião suplementar, após terem falhado, quarta-feira, nova ronda negocial entre as partes sobre a contabilização do tempo de serviço dos professores durante o período em que as suas carreiras estiveram congeladas.

Executivo socialista acusa sindicatos

Os ministérios das Finanças e da Educação, em comunicado conjunto, declararam que "o Governo retomará o processo legislativo do decreto-lei que permite aos docentes dos ensinos básico e secundário, cuja contagem do tempo de serviço esteve congelada entre 2011 e 2017, recuperar dois anos, nove meses e 18 dias, a repercutir no escalão para o qual progridam a partir daquela data".

No texto, o executivo socialista acusa as estruturas sindicais de manterem uma "posição de intransigência, não aceitando negociar nada que não seja a recuperação integral de nove anos, quatro meses e dois dias, recusando, assim, qualquer abertura negocial".

  • Governo não leva hoje a Conselho de Ministros decreto sobre tempo de serviço dos professores

    País

    O Governo não leva hoje a Conselho de Ministros o seu decreto que recupera parcialmente o tempo de serviço dos professores e só legislará esgotado um prazo de cinco dias para os sindicatos pedirem uma reunião suplementar. Esta posição foi avançada à agência Lusa por fonte oficial do Executivo, depois de terem falhado na quarta-feira as negociações entre Governo e sindicatos sobre a contabilização do tempo de serviço dos professores durante o período em que as suas carreiras estiveram congeladas.

  • Fenprof entrega postais de protesto ao Governo
    3:55

    País

    A Fenprof entrega hoje ao Governo milhares de postais de apoio à luta dos professores e promete endurecer a luta. Um aviso que surge depois de ter terminado sem acordo mais uma reunião com o Ministério da Educação. Cerca de 150 professores desfilaram hoje até à presidência do Conselho de Ministros, em Lisboa, onde entregaram 20.520 postais a defender investimento na educação e apoio na luta dos docentes para recuperação do tempo de serviço.

  • Fenprof sobre reunião no Ministério da Educação: "foi uma verdadeira anedota"
    1:43

    País

    A reunião desta quarta-feira entre os sindicatos dos professores e o Governo sobre a recuperação do tempo de serviço congelado terminou sem acordo. Os professores vão agora pedir nova reunião com o Presidente da República. À saída do encontro, o secretário-geral da Fenprof foi perentório ao afirmar que a reunião negocial "foi um absurdo, uma verdadeira anedota", que não trouxe nada de novo à negociação com os professores, mantendo-se o braço-de-ferro com o Governo.

  • "Isto é uma afronta aos professores"
    1:15

    País

    O Ministério da Educação esteve reunido com os professores, esta quarta-feira, durante mais de uma hora e, mais uma vez, o encontro terminou sem acordo. À saída, Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional de Professores, fez duras críticas às propostas avançadas pelo Governo para a recuperação de tempo de serviço dos docentes.

  • “Fui vendido várias vezes, de contrabandista para contrabandista”
    9:06