País

Comboios parados, greve de 24 horas sem serviços mínimos

Protesto junta trabalhadores da CP, da Infraestruturas de Portugal e da manutenção da EMEF.

Os trabalhadores do setor ferroviário estão hoje em greve de norte a sul do país. A paralisação de 24 horas começou à meia-noite e não tem serviços mínimos decretados, pelo que são esperados atrasos e supressões de comboios.

Além dos trabalhadores da CP, também os funcionários da Infraestruturas de Portugal e da manutenção da EMEF aderem ao protesto.

Entre as causas do protesto estão o não cumprimento dos acordos estabelecidos com o Governo relativamente a aumentos salariais, falta de pessoal e recuperação de material circulante.

O presidente da Câmara de Oeiras, Isaltino Morais, prevê um dia de caos no concelho para milhares de pessoas. A autarca da Amadora, Carla Tavares, critica a decisão de não decretar serviços mínimos.

  • Esta casa foi construída por uma impressora 3D
    16:27