País

Obras para novo Hospital Central do Alentejo avançam em 2020

A cerimónia de apresentação do projeto, marcada para hoje às 16:00, no Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE), vai ser presidida pelo primeiro-ministro, António Costa.

O Governo dá hoje o “primeiro passo” para concretizar o Hospital Central do Alentejo, em Évora, apresentando o projeto de financiamento, e prevê lançar o concurso este ano e as obras em 2020, revelou a ministra da Saúde.

Em declarações à agência Lusa, a ministra da Saúde, Marta Temido, disse que a cerimónia que decorre hoje à tarde, em Évora, em que vai ser apresentado o projeto de financiamento do novo hospital, no âmbito da reprogramação do Portugal 2020, “tem um caráter simbólico”.

“Representa a materialização de um compromisso que já tinha sido assumido há largos anos”, o da “construção de um novo Hospital Central no Alentejo”, e constitui “o primeiro passo” para “concretizar o projeto” da unidade, da autoria do gabinete do arquiteto Souto Moura, destacou.

Os ministros da Saúde e do Planeamento e das Infraestruturas, Marta Temido e Pedro Marques, respetivamente, também participam na sessão, assim como o presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá.

Segundo o Ministério da Saúde, na cerimónia vai ser feito o anúncio do concurso do programa comunitário Portugal 2020 para o financiamento do Hospital Central do Alentejo, através de apoios do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

Investimento total de 181 milhões de euros

“O Governo decidiu, no âmbito de uma reprogramação do Portugal 2020, levar a candidatura a construção do novo hospital”, sendo que o investimento a candidatar “é na casa dos 40 milhões” de euros, referiu a ministra.

Marta Temido reconheceu que o investimento total necessário para a nova unidade hospitalar “ultrapassa este montante”, mas, “neste primeiro momento, por esta via da assunção clara desta prioridade”, no âmbito da reprogramação do Portugal 2020, é possível avançar com o projeto de Souto Moura que aguarda “concretização desde 2012”.

“Há um compromisso político relativamente a este hospital” e o Governo assume “claramente que o início do financiamento se fará por uma reprogramação de fundos comunitários, mas que o projeto seguirá e o novo Hospital Central do Alentejo irá acontecer”, argumentou.

Agora, “se o restante financiamento vem também de fundos comunitários ou se vem de outra fonte é algo que teremos de considerar, durante os tempos que se aproximam”, assinalou a ministra, destacando que “é sempre interessante diversificar as fontes de financiamento”.

Questionada pela Lusa sobre quais os passos seguintes, a ministra explicou que está “praticamente concluído” o “conjunto de trabalhos” que decorre “desde o início de 2018 no âmbito da revisão” do projeto, por parte do HESE e da Administração Regional de Saúde e Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo.

“Esta equipa irá agora preparar as peças procedimentais para que o lançamento do concurso [para a construção do hospital] possa acontecer durante o 1.º semestre ou início do 2.º semestre” deste ano”, decorrendo depois o concurso: “Esperamos que, em 2020, seja possível iniciar a obra”, frisou.

O novo hospital, de acordo com o Ministério da Saúde, deverá implicar um investimento total de 181 milhões de euros, dos quais 150 milhões para o edificado e 31 milhões para custos com equipamentos.

O novo equipamento, numa primeira linha, vai servir os cerca de 200 mil habitantes da região de Évora, mas, numa segunda linha, realçou a ministra da Saúde, “vai também servir toda a região do Alentejo”, ou seja, “cerca de meio milhão de pessoas”.

“Este novo hospital tem um conjunto de vantagens e responde a um conjunto de expectativas da população da região”, estando previsto que tenha “uma diferenciação tecnológica acentuada” e “o alargamento e reforço da atual oferta de serviços”, revelou Marta Temido.

Lusa