Assalto ao Castelo

Angolanos politicamente expostos investiram no GES através do Dubai

Hoje no Jornal da Noite

Angolanos politicamente expostos investiram no GES através do Dubai

Pedro Coelho

Jornalista

Os investimentos chegaram a 500 milhões de dólares só em 2011 e o Banco de Portugal tinha as provas. No último episódio da Grande Reportagem "Assalto ao Castelo" revelamos uma troca de correspondência entre o BdP e a DFSA, a autoridade de supervisão bancária do Dubai.

Através dessa correspondência ficamos a conhecer os contornos da associação entre duas geografias – Luanda e Dubai – ao escândalo BES/GES.

A troca de cartas entre as duas entidades começou em 2010. A última carta de que temos registo data de 2013.

Na colaboração efetiva e permanente que se estabeleceu entre as duas entidades (BdP e DFSA) ao longo desses três anos, o supervisor português ia sendo surpreendido com revelações que davam à filial do BES no Dubai, ES Bankers Dubai, ESBD, uma dimensão no universo BES muito maior do que aquela que o Banco de Portugal supunha.

A troca de correspondência é, também, uma troca de informações. Em 2012, a DFSA revela receios sobre a identidade e o estatuto dos clientes da filial do BES no Dubai e disso dá conta aos interlocutores portugueses. É neste âmbito que o Banco de Portugal fica a saber que, em 2011, 60 por cento dos ativos da filial do BES eram controlados por angolanos politicamente expostos ao poder de José Eduardo dos Santos. Nesse ano, quatro deles aplicaram 750 milhões de dólares no ESBD; a maior fatia, 500 milhões, teve as empresas do Grupo Espírito Santo (GES) por destino.

Em 2012, a DFSA dá conta de tudo isto ao Banco de Portugal. Na última carta, o supervisor do Dubai pergunta diretamente ao regulador português se estava em curso algum processo contraordenacional à entidade dona do ESBD, a Espírito Santo Financial Group. Os sinais de branqueamento de capitais eram já demasiado evidentes.

Na resposta que deu à SIC, o BdP esclarece que a supervisão das filiais dos bancos portugueses em matéria de terrorismo e branqueamento de capitais é da exclusiva competência dos reguladores locais.

Saiba mais no terceiro episódio da Grande Reportagem SIC "Assalto ao Castelo", que estreia hoje no Jornal da Noite.

Reportagem de Pedro Coelho, com imagem de José Silva com Luís Pinto e 4KFly. Edição de Imagem de Rui Berton, produção editorial de Diana Matias, grafismo de César Ribeiro, Luís Bispo e Sérgio Maduro.

  • Polémica na cirurgia do hospital da Guarda
    3:38

    País

    O diretor de cirurgia do Hospital da Guarda está debaixo de fogo por escolher as próteses de um laboratório de que é consultor, no tratamento de hérnias inguinais. O médico Augusto Lourenço justifica a opção, dizendo que por culpa da administração, não há concursos públicos para a aquisição de material cirúrgico.

  • E de nós, quem cuida?
    23:13
  • Pais e irmãos separados há 40 anos nos Açores continuam à procura dos que partiram
    7:07
  • "O dinheiro era dos dois": Maria Leal reage às acusações de Francisco
    9:51
  • Portugueses marcham em Londres contra o Brexit
    2:05
  • Arábia Saudita confirma morte do jornalista, Trump acredita mas resto do mundo pede responsabilidades
    2:02