Más Ações

"Hoje não tenho nada". Artur Oliveira perdeu 450 mil euros na campanha acionista do BCP

"Hoje não tenho nada". Artur Oliveira perdeu 450 mil euros na campanha acionista do BCP

Artur Oliveira perdeu 450 mil euros na campanha acionista do BCP. Antigo quadro superior da banca, Artur Oliveira deixou-se levar pelo canto da sereia. Hoje vive numa casa emprestada, no bairro onde chegou a integrar a elite da alta classe média de Lisboa. Um excerto do 2º episódio da Grande Reportagem "Más Ações" transmitida esta quarta-feira, no Jornal da Noite.

  • Más Ações - 1.º Episódio
    32:49

    Grande Reportagem SIC

    Nos anos 2000-2001, o BCP de Jardim Gonçalves lançou uma campanha acionista que cativou milhares de pequenos clientes. Nesses anos de ouro do capitalismo popular, o banco liderado pelo engenheiro do Opus Dei emprestou dinheiro, sem exigir garantias, a todos os que quisessem comprar ações. Quando as ações começaram a baixar, os pequenos investidores ficaram com a dívida às costas. No meio deste alvoroço, pode ter havido uma mão invisível a controlar o preço das ações. Neste primeiro episódio de Más Ações, a Grande Reportagem SIC conta-lhe a história dos que foram atrás do canto da sereia.

  • Más Ações - 2.º Episódio
    32:45

    Grande Reportagem SIC

    Neste segundo episódio da Grande Reportagem "Más Ações", a SIC revisita a história do BCP, dos tempos da administração de Jorge Jardim Gonçalves, que foi condenado por manipulação de mercado. Nos bastidores dessa condenação está a campanha acionista dos anos 2000 e 2001. Nesses anos do capitalismo popular, o BCP alargou a base acionista a pequenos investidores, que nada percebiam de bolsa. A queda abrupta do valor das ações provocou centenas de vítimas. Mas o problema é que o mercado pode ter sido distorcido.