Grande Reportagem SIC

Grande Reportagem "Ensaio sobre a saúde na Guiné-Bissau"

3ª feira No Jornal da Noite

Grande Reportagem "Ensaio sobre a saúde na Guiné-Bissau"

A Guiné está na cauda do índice de desenvolvimento humano das Nações Unidas. Mais de metade da população vive numa situação de pobreza extrema e a esperança média de vida é de 55 anos. Com um sistema político frágil e um serviço de saúde incerto, as taxas de mortalidade materno e infantil da Guiné-Bissau são das mais altas do mundo.

Nos hospitais da Guiné falta quase tudo: os médicos especialistas contam-se pelos dedos da mão - há apenas clínicos gerais que mal acabam os cursos começam a trabalhar muitas vezes sem ganhar ordenado.

Não há dia em que não falte a luz ou a água e os medicamentos utilizados nos hospitais são pagos pelos doentes.

Uma bolsa de sangue pode custar a um familiar de alguém internado cerca de 70 euros - o ordenado mínimo é de 114 euros.

É neste contexto difícil que o Instituto Ricardo Jorge está na Guiné, com a missão de apoiar o laboratório de saúde pública guineense no diagnóstico de doenças como a malária, o sarampo, a febre-amarela ou a tuberculose que tantas mortes provocam no país.

Análises simples e mais complicadas mas que se fazem em quase todo o mundo há vários anos.

Na Guiné, nenhum hospital tem laboratório de microbiologia para detetar bactérias ou vírus.

O único local onde essas análises se fazem é em Bissau, no laboratório de saúde pública, ao qual diariamente acorrem guineenses vindos de todo o país.

Grande Reportagem “Ensaio sobre a Saúde na Guiné-Bissau", terça-feira, no Jornal da Noite da SIC

  • Calor vai continuar até ao final da semana
    1:18
  • Governo promete resposta firme à detenção de portugueses na Venezuela
    1:59
  • 7 M€ para projetos em prol da igualdade de género

    País

    O Governo lança hoje um programa de financiamento de projetos de conciliação e igualdade de género, no valor de sete milhões de euros, disponibilizados no âmbito do mecanismo financeiro do Espaço Económico Europeu EEA Grants 2014-2021.

  • Juiz nomeado por Trump diz que acusações de assédio sexual são "difamação" 
    1:23

    Mundo

    Há uma segunda acusação de assédio sexual contra o juíz nomeado por Donald Trump, para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos. Uma mulher, de 53 anos, acusa Brett Kavanaugh, de a ter assediado na década de 80 quando ambos frequentavam a universidade. Tal como já tinha acontecido com a acusação anterior, tanto o juíz quanto a Casa Branca negam as alegações e dizem que é uma campanha para difamar o homem escolhido pelo presidente Trump.