sicnot

Perfil

Cultura

Comité de censura indiano proíbe exibição de "As cinquenta sombras de Grey"

O comité de censura indiano proibiu a exibição do filme "As cinquenta sombras de Grey", de Sam Taylor-Johnson nos cinemas do país, mas a produtora poderá apelar para a decisão junto de um comité de revisão.

© Fabrizio Bensch / Reuters

O filme, adaptado de um dos romances da trilogia erótica da escritora E.L. James, centra-se na relação e nos jogos sexuais entre Christian Grey, multimilionário de 27 anos, e Anastasia Steele, estudante universitária. 

Os romances venderam cerca de cem milhões de exemplares em todo o mundo.

Citada pela agência espanhola EFE, uma fonte da Comissão Central de Certificação Cinematográfica, que pediu para não ser identificada, disse que a película foi rejeitada pelo comité de crítica, mas que a decisão poderá não ser definitiva.

"Toda a película vai ser exibida em três fases, é um processo habitual", indicou.

A nível internacional, o filme tem sido alvo de apreciações negativas por parte da crítica, tendo sido proibido em países como a Indonésia e o Quénia, apesar do sucesso da bilheteira.

De acordo com a publicação online Box Office Mojo, no conjunto dos cinco países onde foi estreado, o filme rendeu 237 milhões de euros de receita bruta em cinco dias de exibição. 

Em Portugal, mais de 235.000 espetadores portugueses viram o filme "As cinquenta sombras de Grey", na semana de estreia.

A proibição da exibição do filme de Sam Taylor-Johnson nos cinemas indianos segue-se a uma decisão de um tribunal indiano que impediu a transmissão de uma reportagem da BBC sobre a morte de uma jovem indiana estuprada em Nova Deli em 2012.

As autoridades judiciais indianas consideram que a peça jornalística contém declarações que prejudicam o interesse público, atentam contra a paz e podem criar potenciais tensões sociais.

Entretanto, o portal Youtube vetou hoje a visualização da película a pedido do governo indiano, adianta a agência EFE. 

Esta semana, a Comissão Central de Certificação Cinematográfica da India ordenou a retirada da palavra "lésbica" num filme da Bollywood "Dum Laga Ke Haisha" -Cede toda tua Energia-, onde também foram alteradas quatro palavras, segundo a imprensa.

O sistema judicial indiano contém leis contra os "discursos de ódio" para prevenir conflitos entre as comunidades religiosas e étnicas, num país que tem registado casos esporádicos de violência entre grupos.



Lusa