sicnot

Perfil

Cultura

Comité de censura indiano proíbe exibição de "As cinquenta sombras de Grey"

O comité de censura indiano proibiu a exibição do filme "As cinquenta sombras de Grey", de Sam Taylor-Johnson nos cinemas do país, mas a produtora poderá apelar para a decisão junto de um comité de revisão.

© Fabrizio Bensch / Reuters

O filme, adaptado de um dos romances da trilogia erótica da escritora E.L. James, centra-se na relação e nos jogos sexuais entre Christian Grey, multimilionário de 27 anos, e Anastasia Steele, estudante universitária. 

Os romances venderam cerca de cem milhões de exemplares em todo o mundo.

Citada pela agência espanhola EFE, uma fonte da Comissão Central de Certificação Cinematográfica, que pediu para não ser identificada, disse que a película foi rejeitada pelo comité de crítica, mas que a decisão poderá não ser definitiva.

"Toda a película vai ser exibida em três fases, é um processo habitual", indicou.

A nível internacional, o filme tem sido alvo de apreciações negativas por parte da crítica, tendo sido proibido em países como a Indonésia e o Quénia, apesar do sucesso da bilheteira.

De acordo com a publicação online Box Office Mojo, no conjunto dos cinco países onde foi estreado, o filme rendeu 237 milhões de euros de receita bruta em cinco dias de exibição. 

Em Portugal, mais de 235.000 espetadores portugueses viram o filme "As cinquenta sombras de Grey", na semana de estreia.

A proibição da exibição do filme de Sam Taylor-Johnson nos cinemas indianos segue-se a uma decisão de um tribunal indiano que impediu a transmissão de uma reportagem da BBC sobre a morte de uma jovem indiana estuprada em Nova Deli em 2012.

As autoridades judiciais indianas consideram que a peça jornalística contém declarações que prejudicam o interesse público, atentam contra a paz e podem criar potenciais tensões sociais.

Entretanto, o portal Youtube vetou hoje a visualização da película a pedido do governo indiano, adianta a agência EFE. 

Esta semana, a Comissão Central de Certificação Cinematográfica da India ordenou a retirada da palavra "lésbica" num filme da Bollywood "Dum Laga Ke Haisha" -Cede toda tua Energia-, onde também foram alteradas quatro palavras, segundo a imprensa.

O sistema judicial indiano contém leis contra os "discursos de ódio" para prevenir conflitos entre as comunidades religiosas e étnicas, num país que tem registado casos esporádicos de violência entre grupos.



Lusa
  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagas as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Presidente da Câmara de Nova Iorque confirma "atentado terrorista falhado"
    0:29
  • Israel volta a bombardear posições do Hamas em Gaza

    Mundo

    O exército israelita voltou a bombardear esta segunda-feira posições do movimento Hamas na Faixa de Gaza em resposta ao lançamento de projéteis em direção a Israel pelas milícias palestinianas, informou um comunicado militar.

  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.