sicnot

Perfil

Cultura

Comité de censura indiano proíbe exibição de "As cinquenta sombras de Grey"

O comité de censura indiano proibiu a exibição do filme "As cinquenta sombras de Grey", de Sam Taylor-Johnson nos cinemas do país, mas a produtora poderá apelar para a decisão junto de um comité de revisão.

© Fabrizio Bensch / Reuters

O filme, adaptado de um dos romances da trilogia erótica da escritora E.L. James, centra-se na relação e nos jogos sexuais entre Christian Grey, multimilionário de 27 anos, e Anastasia Steele, estudante universitária. 

Os romances venderam cerca de cem milhões de exemplares em todo o mundo.

Citada pela agência espanhola EFE, uma fonte da Comissão Central de Certificação Cinematográfica, que pediu para não ser identificada, disse que a película foi rejeitada pelo comité de crítica, mas que a decisão poderá não ser definitiva.

"Toda a película vai ser exibida em três fases, é um processo habitual", indicou.

A nível internacional, o filme tem sido alvo de apreciações negativas por parte da crítica, tendo sido proibido em países como a Indonésia e o Quénia, apesar do sucesso da bilheteira.

De acordo com a publicação online Box Office Mojo, no conjunto dos cinco países onde foi estreado, o filme rendeu 237 milhões de euros de receita bruta em cinco dias de exibição. 

Em Portugal, mais de 235.000 espetadores portugueses viram o filme "As cinquenta sombras de Grey", na semana de estreia.

A proibição da exibição do filme de Sam Taylor-Johnson nos cinemas indianos segue-se a uma decisão de um tribunal indiano que impediu a transmissão de uma reportagem da BBC sobre a morte de uma jovem indiana estuprada em Nova Deli em 2012.

As autoridades judiciais indianas consideram que a peça jornalística contém declarações que prejudicam o interesse público, atentam contra a paz e podem criar potenciais tensões sociais.

Entretanto, o portal Youtube vetou hoje a visualização da película a pedido do governo indiano, adianta a agência EFE. 

Esta semana, a Comissão Central de Certificação Cinematográfica da India ordenou a retirada da palavra "lésbica" num filme da Bollywood "Dum Laga Ke Haisha" -Cede toda tua Energia-, onde também foram alteradas quatro palavras, segundo a imprensa.

O sistema judicial indiano contém leis contra os "discursos de ódio" para prevenir conflitos entre as comunidades religiosas e étnicas, num país que tem registado casos esporádicos de violência entre grupos.



Lusa
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.