sicnot

Perfil

Cultura

Artesã açoriana alia tradição e inovação às escamas de peixe

 À técnica tradicional açoriana de trabalhar as escamas de peixe, a artesã açoriana Leovigilda Lima juntou cor e muita criatividade, criando peças únicas como anéis, brincos, colares e argolas de guardanapo que vende por encomenda para todo o mundo.

EDUARDO COSTA

EDUARDO COSTA

EDUARDO COSTA

EDUARDO COSTA

"Comecei a trabalhar como um 'hobby' em 2008. Fui desenvolvendo e como achei que a escama de peixe não podia ficar só pelo tradicional, fui aplicando criatividade", afirmou Leovigilda Lima, empresária em nome individual há já sete anos e que está a tratar da certificação das suas peças artesanais.


Fonte do Centro Regional de Apoio ao Artesanato disse à Lusa que a arte de trabalhar as escamas de peixe faz parte de "uma tradição que tem passado de geração em geração" no arquipélago, tendo sofrido "uma grande evolução a partir da década de 80 (do século XX) com o incremento do número de turistas nas ilhas".


Além das escamas de peixe, também estão certificados nos Açores como produtos regionais de artesanato as rendas, a tecelagem, os registos do Santo Cristo entre outros, um galardão que existe desde 1998 e garante ao consumidor a origem e qualidade do produto artesanal comprado.


Estão registadas no Centro Regional de Apoio ao Artesanato 39 artesãs no ativo que efetuam trabalhos em escama de peixe nas ilhas de S. Miguel, Terceira, Pico, Faial, Graciosa e Flores.


Leovigilda Lima procurou alargar o leque das suas peças para além das tradicionais redomas e quadros feitos em escamas de peixe brancas, apostando na originalidade e introdução de cores variadas, para ir ao encontro do que os clientes procuram nas decorações atuais.


"Faço arranjos de castiçais, aplico escamas aos presépios de lapinha, faço arranjos para centros de mesa, decorações de casamento e batizado", referiu a artesã, acrescentando que também faz colares, anéis, brincos e argolas de guardanapo, entre outras peças.

Ao contrário de outras artesãs açorianas, Leovigilda Lima optou por tingir as escamas de peixe com que trabalha para melhor fixar as várias cores, assegurando que assim "não desbota" e "duram uma vida".


"Faço a preparação da cor consoante a pessoa precisa e gosta. Aplico na escama e depois faço o trabalho", referiu, acrescentando que "a técnica de trabalhar a escama é a tradicional". 


Antes de iniciar o processo criativo e a montagem, tem de recolher as escamas em peixarias ou entre os amigos que consomem peixe, lavá-las durante vários dias, esfregá-las bem e depois deixar secar.


Segundo disse, o segredo para a escama nunca partir é deixá-la secar bem ao escuro e nunca na claridade.


"A escama depois de estar bem seca, bem tratada, não parte. Mas se a escama não for bem tratada, parte. Também tem um pormenor: na desova do peixe, a escama parte com muita facilidade. Temos de ter essa atenção e perceber se o peixe está na fase da desova", afirmou Leovigilda Lima, que já tem vendido trabalhos por  encomenda para o estrangeiro.


Todo este trabalho artesanal requer muita minúcia, delicadeza e tempo, sendo certo que nunca há dois trabalhos iguais.


"Por mais que esteja ao lado um do outro, sai sempre diferente. A montagem é sempre diferente. A mão não consegue fazer igual de maneira nenhuma", confessou Leovigilda Lima, que junta às escamas canotilho de prata ou ouro.

Lusa

  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12

    Reportagem Especial

    Quase cinco mil emigrantes regressaram à Madeira nos últimos meses por causa da crise económica, social e política na Venezuela. Os pedidos de ajuda ao Governo Regional dispararam. Muitos luso-venezuelanos voltaram às origens com pouco mais do que a roupa do corpo. "A Minha Outra Pátria", Reportagem Especial de hoje.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Como fugir às comissões bancárias
    7:24

    Contas Poupança

    Há muitos casos em que ter uma conta no banco está a dar prejuízo. Os juros são tão baixos e as comissões de manutenção de conta são tão altas que há portugueses que todos os meses perdem dinheiro apenas porque têm dinheiro no banco. O Contas Poupança foi à procura de alternativas.

  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Produtores de maçã de Armamar dizem não ter recebido resposta do Ministério
    2:14

    País

    Os produtores de maçã de Armamar estão preocupados. Parte da produção foi destruída pelo mau tempo. Contudo, duas semanas depois, ainda não há resposta do Ministério da Agricultura aos pedidos de ajuda. Mais de 60 produtores com 800 hectares foram afetados e as árvores atingidas pelo granizo podem não conseguir produzir no próximo ano.

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.

  • Número de mortos em atentado em Cabul sobe para 31

    Mundo

    O número de mortos no atentado com um carro armadilhado atribuído aos talibãs, esta segunda-feira de manhã em Cabul, subiu para 31, aos quais se somam cerca de 40 feridos, de acordo com um novo balanço das autoridades.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34