sicnot

Perfil

Cultura

Filmes "Os gatos não têm vertigens" e "Os Maias" lideram nomeações aos prémios Sophia

Os filmes "Os gatos não têm vertigens", "Os Maias" e "O grande Kilapy" são os mais nomeados para a 4ª edição dos prémios Sophia, de acordo com o anúncio feito esta quarta-feira em Lisboa, pela Academia Portuguesa de Cinema.

"Os gatos não têm vertigens", de António-Pedro Vasconcelos, conta com 15 nomeações - de um total de 20 categorias -, abrangendo praticamente todas as áreas: realização, representação feminina e masculina, direção de fotografia ou argumento original.

"Os Maias -- Cenas da vida romântica", de João Botelho, o filme português mais visto de 2014, soma 13 nomeações para os prémios Sophia, também nas principais categorias.

Com doze nomeações surge "O grande Kilapy", do realizador angolano Zezé Gamboa.

A cerimónia dos prémios Sophia está marcada para 02 de abril, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, e terá transmissão em direto na RTP2.

Para melhor filme estão nomeados "A vida invisível", de Vítor Gonçalves, "O grande Kilapy", "Os gatos não têm vertigens" e "Os Maias". Todos os realizadores estão nomeados na categoria de melhor realização.

Destaque para a atriz Maria João Pinho, com uma dupla nomeação: para melhor atriz principal, em "A vida invisível", ao lado de Filipe Duarte, que também está nomeado para melhor ator, e para melhor atriz secundária, em "Os Maias".

Para melhor documentário foram selecionados "Guerra ou paz", de Rui Simões, "Fado Camané", de Bruno de Almeida", "E agora? Lembra-me", de Joaquim Pinto, e "Alentejo, Alentejo", de Sérgio Tréfaut.

Ao prémio Sophia de melhor curta-metragem de animação concorrem "20 Desenhos e Um Abraço", de José Miguel Ribeiro, "Canto dos 4 Caminhos", de Nuno Amorim, "Foi o Fio", de Patrícia Figueiredo, e "Fuligem", de David Doutel.

A Academia já tinha anunciado anteriormente que a atriz Eunice Muñoz e o ator e encenador Luís Miguel Cintra vão ser distinguidos com o Prémio Carreira 2015.

Os prémios Sophia foram lançados em 2012, para distinguir os profissionais do cinema nacional pelos próprios pares, e incluem cerca de duas dezenas de categorias.

A Academia Portuguesa de Cinema foi fundada em 2011 e é presidida pelo produtor Paulo Trancoso.

No ano passado, Joaquim Leitão venceu o prémio Sophia de melhor realizador, pelo filme "Até amanhã camaradas". O Sophia de "Melhor Filme" foi atribuído a "A última vez que vi Macau", de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata.


Lista completa dos nomeados para a quarta edição dos prémios Sophia, atribuídos pela Academia Portuguesa de Cinema:


Melhor Filme

"A Vida Invisível".

"O Grande Kilapy".

"Os Gatos não têm Vertigens".

"Os Maias - Cenas da Vida Romântica".



Melhor Realizador

Zézé Gamboa - "O Grande Kilapy". 

Vítor Gonçalves - "A Vida Invisível". 

António-Pedro Vasconcelos - "Os Gatos não têm Vertigens". 

João Botelho - "Os Maias". 



Melhor Atriz Principal

Leonor Seixas - "Sei Lá". 

Maria do Céu Guerra - "Os Gatos não têm Vertigens". 

Maria João Pinho - "A Vida Invisível". 

Sara Barros Leitão - "Pecado Fatal". 



Melhor Ator Principal

Filipe Duarte - "A Vida Invisível". 

Graciano Dias - "Os Maias". 

João Jesus - "Os Gatos não têm Vertigens". 

João Lagarto - "O Grande Kilapy". 



Melhor Atriz Secundária

Fernanda Serrano - "Os Gatos não têm Vertigens". 

Maria João Pinho - "Os Maias". 

São José Correia - "O Grande Kilapy". 

Sílvia Rizzo - "O Grande Kilapy". 



Melhor Ator Secundário

João Perry - "Os Maias". 

Manuel Wiborg - "O Grande Kilapy". 

Nicolau Breyner - "Os Gatos não têm Vertigens". 

Pedro Inês - "Os Maias". 



Melhor Direção Artística

João Torres - "O Grande Kilapy". 

João Torres - "Os Gatos não têm Vertigens". 

Isabel Branco - "Variações de Casanova". 

Silvia Grabowski - "Os Maias". 



Melhor Direcção de Fotografia

Leonardo Simões - "A Vida Invisível". 

José António Loureiro - "Os Gatos não têm Vertigens". 

André Szankowski - "Cadências Obstinadas". 

João Ribeiro - "Os Maias". 



Melhor Argumento Original

Luís Alvarães e Luís Carlos Patraquim - "O Grande Kilapy". 

Vítor Gonçalves, Jorge Braz, Mónica Santana Baptista - "A Vida Invisível".

Tiago Santos - "Os Gatos não têm Vertigens". 

Frederico Pombares, Henrique Dias e Roberto Pereira - "Virados do Avesso". 



Melhor Documentário em Longa-Metragem

"Guerra ou Paz", de Rui Simões.

"Fado Camané", de Bruno de Almeida. 

"E Agora? Lembra-me", de Joaquim Pinto.

"Alentejo, Alentejo", de Sérgio Tréfaut.



Melhor Curta-Metragem Documentário

"À Beira Da Europa", de Bernardo Cabral. 

"Le Boudin", de Salomé Lamas. 

"Luz Clara", de Miguel Lima. 

"O Meu Outro País", de Solveig Nordlund. 



Melhor Curta-Metragem de Animação

"20 Desenhos e Um Abraço", de José Miguel Ribeiro. 

"Canto dos 4 Caminhos", de Nuno Amorim.

"Foi o Fio", de Patrícia Figueiredo.

"Fuligem", de David Doutel.



Melhor Curta-Metragem de Ficção

"Cinema", de Rodrigo Areias. 

"Coro dos Amantes", de Tiago Guedes. 

"Encontradouro", de Afonso Pimentel. 

"Miami", de Simão Cayatte. 

"Os Sonâmbulos", de Patrick Mendes. 



Melhor Canção Original

"Fora da Lei" versão rock, interpretado pelos Criança Queimada - "Nirvana". 

"Unforgettable", letra e interpretação de Daniela Galbin - "Pecado Fatal".

"Clandestinos do Amor" de Ana Moura - "Os Gatos não têm Vertigens".

"Seta" de André Sardet e Mayra Andrade - "Sei Lá". 



Melhor Banda Sonora Original

Nuno Maló - "Doce Amargo Amor". 

Filipe Coutinho -- "Pecado Fatal". 

Luís Cília -- "Os Gatos não têm vertigens". 

José M. Afonso -- "Sei Lá".



Melhor Som

Hugo Leitão e Branko Neskov - "O Grande Kilapy". 

Vasco Pedroso, Branko Neskov e Elsa Ferreira - "Os Gatos não têm Vertigens". 

Pedro Melo e Branko Neskov - "Getúlio". 

Jorge Saldanha - "Os Maias". 



Melhor Montagem

Rodrigo Pereira, Rui Alexandre Santos -- "A Vida Invisível". 

Pedro Ribeiro -- "Os gatos não têm vertigens". 

Pedro Ribeiro -- "Sei Lá". 

João Braz -- "Os Maias". 



Melhor Maquilhagem e Cabelos

Sano de Perpessac - "O Grande Kilapy". 

Susana Correia e Fátima Vieira - "Os Gatos não têm Vertigens". 

Iris Peleira, Mário Leal - "Variações de Casanova". 

Sano de Perpessac - "Os Maias". 



Melhor Guarda-Roupa

Teresa Campos - "O Grande Kilapy". 

Os Burgueses - "Os Gatos não têm Vertigens". 

Lucha d'Orey - "Variações de Casanova". 

Tânia Franco - "Os Maias". 



Melhor Caracterização / Efeitos especiais

Sano de Perpessac - "O Grande Kilapy". 

Sandra Pinto - "Eclipse em Portugal". 

Iris Peleira - "Cadências Obstinadas". 

Sano de Perpessac - "Os Maias".
Lusa
  • Santana diz que Marcelo por vezes faz de conta que é primeiro-ministro
    1:12

    País

    Santana Lopes diz que a expectativa que Passos Coelho criou sobre o mau desempenho do Governo se está a virar-se contra ele. Numa entrevista ao jornal Expresso deste sábado, o ex-primeiro-ministro e ex-presidente da Câmara Municipal de Lisboa considera contudo que Passos Coelho ainda poderá ganhar as próximas eleições. Sobre Marcelo, o atual provedor da Santa Casa da Misericórdia diz que por vezes faz de conta que é o primeiro-ministro.

  • Coala do Zoo de Duisburg viaja para Lisboa 

    País

    A SIC acompanhou, em exclusivo, a transferência de uma coala do Zoo de Duisburg, na Alemanha, para o Jardim Zoológico de Lisboa. O animal foi transportado pela TAP e batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Uma reportagem para ver mais logo no Jornal da Noite da SIC.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.