sicnot

Perfil

Cultura

Primeiro trimestre do ano com aumento de espectadores nos cinemas

O primeiro trimestre deste ano registou um aumento de 2,9 milhões de euros e cerca de 574.000 espectadores nas salas de cinema, comparando com o mesmo período de 2014, segundo o Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA). 

(Arquivo)

De acordo com as estatísticas do ICA, o aumento ultrapassa os vinte por cento tanto no número de espectadores como na receita de bilheteira, impulsionado pelos resultados obtidos no mês de fevereiro.

Assim, entre janeiro e março as exibições comerciais de cinema em todo o país registaram 3.331.713 espectadores e 17,1 milhões de euros de receita bruta de bilheteira.

"As cinquenta sombras de Grey", de Sam Taylor-Johnson, foi o filme mais visto do trimestre, com mais de 490.000 espectadores. O filme português mais visto naquele período foi "Virados dos avesso", de Edgar Pêra, com cerca de seis mil espectadores.

O ICA sublinha ainda que no primeiro trimestre o mercado da distribuição de filmes esteve concentrado em duas empresas - a NOS Lusomundo Audiovisuais e a Big Picture 2 Films - que representam 89% da quota de mercado.

Os dados do ICA são revelados na véspera da Associação Portuguesa de Empresas Cinematográficas anunciar a realização de uma Festa do Cinema em Portugal, com venda de bilhetes mais baratos durante três dias, como tentativa de melhor os hábitos de cinema dos portugueses, em sala. 

A iniciativa portuguesa, cuja data não foi ainda revelada, acontecerá à semelhança da "Fiesta del Cine", que existe desde 2009 em Espanha.

Dado o sucesso, a festa espanhola deixou de ser anual e passou a ser um evento semestral. Durante três dias, os bilhetes de cinema custam 2,90 euros nas salas de cinema aderentes. Em outubro de 2014, a iniciativa contou com 2,2 milhões de espectadores em três dias e em 3.118 salas de cinema.

Portugal registou em 2014 os piores valores de consumo de cinema em sala de cinema, desde 2004, com 12 milhões de espectadores e 62,7 milhões de euros de receita de bilheteira.

Segundo o ICA, em 2014 cada sessão de cinema contou, em média, com 20 espetadores.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.