sicnot

Perfil

Cultura

Lech Walesa lamenta morte de Gunter Grass, um "grande intelectual"

O Nobel da Paz e antigo presidente da Polónia Lech Walesa lamentou hoje a morte do escritor alemão Gunter Grass, considerando que era "um grande intelectual" e que partilhava com ele "uma visão semelhante do mundo, da Europa".

© Susana Vera / Reuters

"Era um grande intelectual que adorava Gdansk, como eu", disse o antigo presidente polaco, acrescentando: "Tínhamos uma visão semelhante do mundo, da Europa, da Polónia. Vimos o futuro em tons de cor de rosa, tirando consequências e lições de um passado negativo entre alemães e polacos", disse aos jornalistas em Gdansk, a cidada que dantes se chamava Danzig.

"Nós tínhamos muitas coisas em comum e pouco nos dividiu", recordou o líder histórico do sindicato Solidariedade, agora com 71 anos.

"Ele sabia que o meu pai tinha morrido por causa da guerra, e sabia que a errada conceção alemã teve um grande custo para o mundo, especialmente para a Polónia", concluiu, refereindo-se ao avanço das forças nazis pela Europa durante a segunga guerra mundial.

O escritor alemão Günter Grass, Prémio Nobel da Literatura em 1999, morreu hoje aos 87 anos numa clínica de Lübeck, anunciou a editora do autor. 

O escritor, poeta, dramaturgo e artista plástico, nascido em Danzig, a 18 de outubro de 1927, faleceu hoje de manhã, segundo escreveu a editora Steidl na sua conta do Twitter. 

Nascido a 16 de outubro de 1927, na antiga Danzig - tornada Gdansk na atual Polónia, onde detém o título de cidadão honorário, estudou naquela cidade até aos 16 anos, tendo-se alistado na juventude hitleriana.

Ferido e detido em 1945 na Checoslováquia, foi libertado no ano seguinte e voltou ao estudo das artes, instalando-se em Paris como escultor e escritor e, em 1956, publicou o primeiro livro, "O Tambor", que obteve sucesso mundial.

O livro seria adaptado ao cinema pelo realizador Volker Schloendorff, que recebeu uma Palma de Ouro em Cannes e o óscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Neste livro e noutros, Günter Grass confrontou a Alemanha com o seu passado nazi, dizem os críticos, levado pela própria má consciência, que viria a ser assumida no livro auto-biográfico "O Descascar da Cebola" - lançado em 2006, e editado em Portugal no ano seguinte, quando revelou ter pertencido às Waffen SS, a tropa de elite de Hitler, aos 17 anos, alistado à força.

Esta militância viria a tornar-se uma das polémicas da sua vida, embora o autor tenha reiterado que se tinha fascinado, como muitos jovens, pelos submarinos, e não pelas forças de elite. 

Na Alemanha, depois da guerra, associou-se politicamente aos escritores antifascistas do "Grupo 47" e ao social-democrata  Willy Brandt, e mais tarde ao chanceler Gerhard Schroeder, aos ecologistas, e contra o presidente norte-americano George W. Bush.

Pai de quatro filhos, vivia em Lübeck, e escreveu cerca de trinta obras ao longo da carreira, a partir dos anos 1950, quando se dedicou à literatura, desde romances, poemas, peças de teatro, entre eles, "O Cão de Hitler" (editado em Portugal em 1966), "O Gato e o Rato" (1968), "O Linguado" (1977), "Em Viagem de uma Alemanha à outra" (1990).

Em 2012 a sua vida ficou marcada por outra polémica, depois de ter criticado Israel publicando um poema, acusando o país de "ameaçar a paz mundial", e o Estado israelita declarou-o então ´persona non grata´.

Entre outros, recebeu, em 1993, o Prémio Georg Büchner, e em 1999 foi galardoado com o Prémio Nobel da Literatura, tendo a Academia sueca sublinhado que as "divertidas e negras fábulas de Grass retratavam uma face esquecida da História".

Günter Grass tinha uma casa no Algarve, e frequentava o Centro Cultural de São Lourenço, em Almancil, onde chegou a expor algumas obras na área das artes plásticas, como as aguarelas que acompanharam o livro "O Meu Século".

Lusa

  • As primeiras reações à morte de Chester Bennington

    Cultura

    Chester Bennington, vocalista da banda de metal alternativo Linkin Park, morreu esta quinta-feira em casa em Palos Verdes Estates, no estado da Califórnia, nos EUA. Várias celebridades já reagiram à morte do músico de 41 anos. Segundo o TMZ, o cantor da banda norte-americana suicidou-se.

  • O perfil do novo herói do surf português
    3:43
  • O. J. Simpson vai sair em liberdade condicional

    Mundo

    A antiga estrela de futebol americano O. J. Simpson vai sair em liberdade condicional, depois de ter cumprido nove anos de prisão num estabelecimento prisional do estado do Nevada, nos Estados Unidos.

  • Filho do leão Cecil também foi abatido por um caçador

    Mundo

    Xanda pode ter tido o mesmo fim que o seu pai, o leão Cecil, que em 2015 foi abatido por um caçador, no Zimbabué. Na altura, a morte de Cecil tomou proporções inéditas, chegando uma imagem do leão a ser projetada na fachada do Empire State Building. Agora, Xanda terá sido abatido a tiro por um caçador de troféus.