sicnot

Perfil

Cultura

Exposição dedicada a Da Vinci em Milão inclui medalhão de Portugal

Um medalhão do século XVI em barro vidrado, proveniente da coleção do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, foi incluído numa grande exposição dedicada a Leonardo Da Vinci que está patente em Milão, na Itália.

Intitulada "Leonardo Da Vinci - 1432-1519", trata-se da maior exposição monográfica dedicada a um dos criadores mais geniais da Renascença, nas áreas da pintura, escultura, engenharia, anatomia e da música. (Arquivo)

Intitulada "Leonardo Da Vinci - 1432-1519", trata-se da maior exposição monográfica dedicada a um dos criadores mais geniais da Renascença, nas áreas da pintura, escultura, engenharia, anatomia e da música. (Arquivo)

Fonte do MNAA disse à agência Lusa que o medalhão, que representa Dario, o rei dos Persas, foi cedido para participar na exposição que inaugurou esta semana no Palazzo Reale, em Milão, e que ficará patente até 19 de julho.

Intitulada "Leonardo Da Vinci - 1432-1519", trata-se da maior exposição monográfica dedicada a um dos criadores mais geniais da Renascença, nas áreas da pintura, escultura, engenharia, anatomia e da música.

Promovida pela câmara municipal de Milão e pela editora de livros de arte Skira, esta exposição monográfica é a maior realizada em Itália até hoje.

É composta por vários núcleos, que reúnem uma centena de desenhos autografados por Leonardo, e um grande número de manuscritos, esculturas e livros ilustrados provenientes de vários museus de todo o mundo.

Contactada pela agência Lusa, Maria João Vilhena, conservadora do MNAA, indicou que o medalhão cedido pelo museu português para a exposição de Da Vinci tem cerca de 70 centímetros, é datado de 1501-1525, e foi criado pelo artista Andrea Della Robbia.

"Pertenceu originariamente ao Mosteiro da Madre de Deus em Lisboa, onde até ao século XIX esteve aplicado na fachada Sul, tal como documenta a iconografia do mosteiro. Teria a par outro medalhão com a representação de Alexandre o Grande, constituindo assim um par de homens ilustres da Antiguidade", indicou a conservadora sobre a origem da peça.

No Mosteiro da Madre de Deus, fundado pela rainha D. Leonor, mulher de D. João II, existiram outras obras em escultura cerâmica encomendadas em oficinas de Florença durante o Renascimento, algumas das quais se conservam também no MNAA e no Museu Nacional do Azulejo, em Lisboa.

Este medalhão, explicou a conservadora à Lusa, "tem já algum um historial de presenças em grandes exposições internacionais, desde o fim do século XIX". 

A obra pertenceu ao rei D. Fernando II, e estava colocada na Biblioteca real, no Palácio das Necessidades, tendo entrado na coleção do MNAA a seguir à implantação da República, em 1910. 
Lusa
  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.