sicnot

Perfil

Cultura

Visitas às galerias romanas encerraram às 11:00 por excesso de afluência

As visitas do público às galerias romanas da Rua da Prata, na baixa de Lisboa, foram este domingo encerradas sete horas antes do previsto devido à enorme afluência de visitantes, informou o Museu de Lisboa.

O Museu de Lisboa lembra que o monumento voltará a abrir ao público no final de setembro, por ocasião das Jornadas Europeias do Património. (Arquivo)

O Museu de Lisboa lembra que o monumento voltará a abrir ao público no final de setembro, por ocasião das Jornadas Europeias do Património. (Arquivo)

CM Lisboa

"Devido à imensa afluência de público registada esta manhã no acesso às Galerias Romanas da Rua da Prata, criptopórtico do século I d.C., a fila terá que ser encerrada às 11h, de modo a que todas as pessoas que estão na fila possam visitar o monumento ao longo do dia de hoje, até às 18h", informa o museu numa nota enviada à Lusa.

As galerias romanas da baixa de Lisboa, com quase dois mil anos, abriram durante três dias ao público, para visitas gratuitas que resultaram em longas filas.

O Museu de Lisboa lembra que o monumento voltará a abrir ao público no final de setembro, por ocasião das Jornadas Europeias do Património. 

A abertura ao público em abril teve lugar no âmbito das comemorações do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, que se assinala a 18 de abril.
Lusa
  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32