sicnot

Perfil

Cultura

IndieLisboa 2015 quer cativar mais públicos e valorizar cinema português

Valorizar o cinema português e cativar novos públicos para o cinema independente são dois dos objetivos da direção do IndieLisboa, um festival internacional cuja 12.ª edição está mais simplificada para uma melhor apreensão.

© Agencja Gazeta / Reuters

O IndieLisboa começa na quinta-feira com dois filmes - duas comédias - que dão o mote a esses objetivos: "Capitão Falcão", de João Leitão, no Cinema São Jorge, e "While We're Young", de Noah Baumbach, com Ben Stiller e Naomi Watts, na Culturgest. 

Até 03 de maio, serão mostrados 260 filmes, dos quais 35 são obras portuguesas, numa programação com menor sobreposição de exibições e uma nova circulação entre salas, juntando a Culturgest, o Cinema São Jorge, a Cinemateca e, pela primeira vez, o Cinema Ideal.

Para evitar a dispersão de espetadores pela programação, foi criada a secção "Silvestre", fundindo as anteriores "Observatório", "Cinema Emergente" e "Pulsar do Mundo". 

"Depois de celebrar os dez anos, demorámos um ano para perceber e arrumar a casa e pensar na segunda década e manter o espírito 'indie', que esteve menos visível nas edições mais recentes", explicou Nuno Sena, da direção, na apresentação à imprensa.

A secção "Herói Independente", uma das âncoras do festival, reparte atenções entre a realizadora francesa Mia Hansen-Love e o norte-americano Whit Stillman, estando prevista a presença de ambos em Lisboa.

Destaca-se ainda o filme "Aqui, em Lisboa", encomendado pelo festival e rodado na capital portuguesa pelo realizador canadiano Denis Côté, o português Gabriel Abrantes, a chilena Dominga Sotomayor e a francesa Marie Losier, e "Força maior", do sueco Ruben Ostlund, premiado em Cannes, que fechará o IndieLisboa a 03 de maio.

A competição portuguesa conta com vinte filmes, dos quais quatro são longas-metragens: os documentários "Gipsofila", de Margarida Leitão, "A toca do lobo", de Catarina Mourão, "Uma rapariga da sua idade", de Márcio Laranjeira, e a ficção "Os olhos de André", de António Borges Correia.

Entre as 'curtas' em competição estão "Campo à beira mar", de André Ruivo - a única animação presente -, "Cinzas e brasas", de Manuel Mozos, "Fora da vida", de Filipa Reis e João Miller Guerra, "Iec Long", de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata, e "The last analog tree", de Jorge Pelicano.

A secção IndieMusic, com documentários sobre artistas e bandas ou filmes-concertos, contará com 14 obras, entre as quais "The death and resurrection show", sobre os Killing Joke, "God help the girl", escrito e realizado por Stuart Murdoch, dos Belle & Sebastian, e "Love & mercy", de Bill Pohlad, sobre Brian Wilson, dos Beach Boys.

A estes junta-se ainda "Música Moderna - um disco filme de TochaPestana", do duo português TochaPestana.

Fora de competição, os documentários "Rabo de peixe", de Joaquim Pinto e Nuno Leonel, e "O medo à espreita", de Marta Pessoa, sobre os arquivos da PIDE, e "Concerning violence", de Goran Hugo Olsson, sobre os processos de descolonização em África, também fazem parte desta edição.

João Botelho terá dois filmes no IndieLisboa: "A arte da luz tem 20.000 anos", rodado no Vale do Côa, e a curta "Nos campos em volta", feito no Alentejo.

Outra das secções consideradas importantes pela organização é a IndieJúnior, com programa específico para públicos a partir dos três anos.

"Foi uma secção criada há onze anos, com a intenção de dar atenção às crianças, um público que é muito maltratado ao longo do ano. E pensamos que os mais novos são o futuro público do Indie", disse Nuno Sena.

O orçamento é de cerca de um milhão de euros, com um ligeiro aumento de investimento não financeiro.

Lusa
  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.