sicnot

Perfil

Cultura

TV Globo completa 50 anos e segue a exportar telenovelas com a imagem do Brasil

 A TV Globo completa hoje 50 anos e continua a exportar telenovelas com a imagem do Brasil, desde o "Bem-Amado", de 1973, até a recente "Avenida Brasil" (2012), distribuída em 130 países, um recorde para a emissora.

Um retrato dos costumes brasileiros, da música, do modo de falar, da culinária, da geografia e do quotidiano do país entrou pela televisão nas casas de portugueses, mas também de outros europeus, de africanos, asiáticos e latino-americanos. 

"Ao exportarmos a nossa novela, levamos a outro país não apenas as tramas, as personagens, mas, em particular, todo o entorno social", afirmou à Lusa Mauro Alencar, professor em teledramaturgia e membro da Academia Internacional de Artes e Ciências da Televisão de Nova York (EMMY). 

Alencar citou como exemplos a abertura de "O Bem-Amado", com o centro de Salvador e a trilha sonora de Vinícius de Moraes e Toquinho, e "Gabriela" (1975), cuja abertura mostrava as gravuras de Aldemir Martins e a história tinha pratos da culinária da Bahia. 

Desde 1973, a emissora fundada por Roberto Marinho exportou cerca de 130 títulos para mais de 170 países (incluindo Portugal, Angola, Moçambique e Guiné-Bissau), entre telenovelas, séries, documentários e especiais, segundo a organização. 

A exportação de telenovelas para países deu-se, segundo Alencar, porque as produções conseguiram "interagir com o fator psicossocial" e "construir uma identidade nacional", além de haver um interesse internacional pela cultura do país e de as produções terem qualidade. 

As produções também influenciaram nas discussões sociais colocadas no país, segundo o professor em teledramaturgia. "A novela passou a legitimar os assuntos mais candentes, e os temas abordados passaram a influenciar e a movimentar a realidade social", disse. 

Como exemplo, estão os debates sobre o tema do tráfico humano colocados em pauta após a telenovela "Salve Jorge" (2012/2013, distribuída como "A Guerreira" em Portugal).

A emissora avalia que houve uma "evolução positiva" de seus negócios internacionais, desde a exportação de telenovelas, às quais depois foram somados documentários, séries, minisséries, programas e filmes. Em 1999, foram lançados os canais internacionais da Globo, com foco nos brasileiros que moravam no exterior. 

"Além de entreter, a Globo ajuda a resgatar as raízes que ficaram no Brasil e promover a língua portuguesa", afirmou a Comunicação Globo, realçando que, atualmente, sua programação chega a 2,2 milhões ao redor do mundo. 

Atualmente, a emissora também produz telenovelas em conjunto com emissoras internacionais, como a SIC, de Portugal, cuja parceria resultou na produção de "Laços de Sangue" (2010), "Dancing Days" (2012) e a atual "Mar Salgado" (2014). 

Neste ano, secundo a emissora, a SIC adquiriu as séries "Dupla Identidade", "Amores Roubados" e "O Caçador", do catálogo de 2015, e "O Canto da Sereia", de 2014. A STV, de Moçambique, adquiriu os direitos das telenovelas "Amor à Vida" e "Sangue Bom".

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46