sicnot

Perfil

Cultura

Scorpions vão tocar na China, pela primeira vez em 50 anos de carreira

A banda alemã de heavy metal Scorpions, uma das mais antigas do género, fundada há 50 anos, vai atuar na sexta-feira na China, pela primeira vez, quebrando o longo jejum dos fãs chineses, anunciou hoje a imprensa local.

Os Scorpions atuarão no âmbito do Changjiang International Music Festival, que durante dois dias reunirá mais de vinte bandas e cantores numa pequena localidade da margem do Rio Yangtze, na província de Jiangsu, leste da China.

"Isto pode ser apenas o início (de uma posterior digressão pela China). Esperamos que haja outra oportunidade para voltar e tocar em Pequim, Xangai e em muitas outras cidades", disse o vocalista do grupo, Klaus Meine, citado pelo jornal China Daily.

A música rock já não é oficialmente considerada na China um "género decadente", mas os espetáculos com grandes bandas ocidentais ainda são raros no país e como aconteceu em 2006 com os Rolling Stones, em Xangai, o reportório tem de ser previamente examinado pelas autoridades.

Na altura, a censura chinesa vetou quatro canções do grupo, entre as quais "Let's Spend the Night Together".

Os Scorpions apareceram em Hamburgo em 1965, um ano antes de a China embarcar numa "Grande Revolução Cultural Proletária" destinada a "aprofundar a luta de classes" e "eliminar os valores e tradições" da antiga sociedade. 

Beethoven, por exemplo, era considerado "um músico reacionário". 

A música rock só começou a chegar à China na década de 1980, depois de o Partido Comunista Chines ter adotado uma nova politica, denominada de "Reforma Económica e Abertura ao Exterior".

Em 1984, um antigo trompetista da Orquestra Filarmónica de Pequim, Cui Jian, fundou o primeiro grupo rock chinês e foi ele, também, que abriu a primeira edição do Changjiang International Music Festival, há seis anos. 



Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.