sicnot

Perfil

Cultura

Scorpions vão tocar na China, pela primeira vez em 50 anos de carreira

A banda alemã de heavy metal Scorpions, uma das mais antigas do género, fundada há 50 anos, vai atuar na sexta-feira na China, pela primeira vez, quebrando o longo jejum dos fãs chineses, anunciou hoje a imprensa local.

Os Scorpions atuarão no âmbito do Changjiang International Music Festival, que durante dois dias reunirá mais de vinte bandas e cantores numa pequena localidade da margem do Rio Yangtze, na província de Jiangsu, leste da China.

"Isto pode ser apenas o início (de uma posterior digressão pela China). Esperamos que haja outra oportunidade para voltar e tocar em Pequim, Xangai e em muitas outras cidades", disse o vocalista do grupo, Klaus Meine, citado pelo jornal China Daily.

A música rock já não é oficialmente considerada na China um "género decadente", mas os espetáculos com grandes bandas ocidentais ainda são raros no país e como aconteceu em 2006 com os Rolling Stones, em Xangai, o reportório tem de ser previamente examinado pelas autoridades.

Na altura, a censura chinesa vetou quatro canções do grupo, entre as quais "Let's Spend the Night Together".

Os Scorpions apareceram em Hamburgo em 1965, um ano antes de a China embarcar numa "Grande Revolução Cultural Proletária" destinada a "aprofundar a luta de classes" e "eliminar os valores e tradições" da antiga sociedade. 

Beethoven, por exemplo, era considerado "um músico reacionário". 

A música rock só começou a chegar à China na década de 1980, depois de o Partido Comunista Chines ter adotado uma nova politica, denominada de "Reforma Económica e Abertura ao Exterior".

Em 1984, um antigo trompetista da Orquestra Filarmónica de Pequim, Cui Jian, fundou o primeiro grupo rock chinês e foi ele, também, que abriu a primeira edição do Changjiang International Music Festival, há seis anos. 



Lusa
  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras