sicnot

Perfil

Cultura

"Velocidade Furiosa 7" é o maior sucesso da história do cinema na China

O filme norte-americano "Velocidade Furiosa 7" tornou-se o maior sucesso comercial da história do cinema na China ao faturar mais de 2.000 milhões de yuan (303 milhões de euros) em 15 dias, noticiou hoje a imprensa oficial.

© Fred Prouser / Reuters

Aquela soma foi alcançada na terça-feira à noite e, a avaliar pelo número de salas que exibem o filme, vai continuar a subir.

No cinema Megabox de Sanlitun, na zona oriental de Pequim, três das oito salas exibiam hoje "Velocidade Furiosa 7", com 16 sessões diárias e o bilhete para a versão 3D custava 130 yuan (20 euros).

Desde a estreia, no passado dia 12 de abril, cerca de 52 milhões de pessoas já viram o filme na China, segundo os dados de uma empresa do setor citada pelo jornal China Daily.

O anterior recorde de bilheteira, detido também por uma superprodução de Hollywood, foi estabelecido no ano passado por "Transformers 4", com uma receita de 1.970 milhões de yuans (298,5 milhões de euros).

 A China já é o segundo maior mercado cinematográfico do mundo, com as receitas de bilheteira a registarem taxas de crescimento anual de dois dígitos, e se o ritmo de mantiver, no final desta década, poderá ser primeiro, à frente dos Estados Unidos.

  Segundo estatísticas da Administração Estatal da Imprensa, Cinema, Radio e Televisão, o organismo que tutela o setor, em 2014, as receitas dos cinemas cresceram 36% em relação ao ano anterior, para 29.600 milhões de yuan (4.484 milhões de euros), e abriram em média 14 novas salas por dia.

Para proteger a produção nacional, o Governo chinês autoriza apenas a importação de 37 filmes por ano (17 dos quais em formato 3D e IMAX).

Mesmo assim, em 2014, os filmes estrangeiros, sobretudo norte-americanos, asseguraram 45,5% das receitas e já houve anos em que bateram os locais.


Lusa
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00

    País

    O interrogatório do suspeito do atropelamento mortal junto ao Estádio da Luz foi adiado para este sábado porque o Ministério Público solicitou uma nova diligência de reconhecimento. Luís Pina nega que tenha atropelado o italiano de forma intencional e defende que foi mero acidente.