sicnot

Perfil

Cultura

Grooveshark, um dos primeiros serviços de "streaming" de música, foi desativado

O Grooveshark, um dos primeiros serviços de partilha e escuta gratuita de música 'online', foi desativado na quinta-feira por causa de processos judiciais movidos por editoras discográficas, por violação de direitos de autor.

http://grooveshark.com/

http://grooveshark.com/

Numa mensagem colocada na página oficial, a empresa norte-americana Escape Media Group, que detém o serviço, anunciou que tinha chegado a acordo com as três maiores editoras discográficas - Universal, Sony e Warner Music - por questões de direitos de autor sobre as músicas e os artistas que estavam disponíveis no Grooveshark.

"Começámos há quase dez anos com o objetivo de ajudar os fãs a partilharem e a descobrirem música. Mas apesar das melhores intenções, cometemos erros muito graves e falhámos no licenciamento de direitos de autor para uma grande quantidade de música no nosso serviço. Isso estava errado. Pedimos desculpa, sem reservas", afirmam em comunicado.

O Grooveshark foi criado em 2006 por três estudantes universitários e tornou-se num dos primeiros serviços a permitir aos utilizadores a partilha e escuta de música de forma gratuita.

No entanto, o serviço, que alegadamente tinha cerca de 30 milhões de utilizadores por mês, esteve implicado em processos litigiosos por causa da partilha de músicas protegidas pela legislação sobre direitos de autor. Os artistas não estariam a receber pela cobrança desses direitos de autor.

No processo judicial conjunto, as editoras Universal, Sony e Warner Music exigiam à empresa Escape Media Group o pagamento de 657 milhões de euros. Para evitar a ida a tribunal, os proprietários do Grooveshark aceitaram desativar o serviço, retirar todas as músicas e entregar o domínio da página na Internet.

"Se gostam de música e respeitam os artistas, os compositores e todos os que tornam possível a existência de boa música, usem serviços licenciados e que compensem os artistas e detentores de direitos de autor", afirma a empresa, citando exemplos de boas práticas como Spotify, Google Play, Deezer e Beats Music.

O Spotify, fundado na Suécia em 2008, é atualmente o líder no que toca a serviços de "streaming", reclamando a existência de 60 milhões de utilizadores, dos quais 15 milhões são assinantes.

Um dos serviços mais recentes é o Tidal, criado por uma empresa sueco-norueguesa em 2014 que acabou por ser adquirida pela norte-americana Project Panther, detida pelo rapper e produtor Jay-Z.

Lusa
  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.