sicnot

Perfil

Cultura

Mísia edita duplo CD de homenagem a Amália Rodrigues com quatro inéditos

 A fadista Mísia afirmou à Lusa que o seu novo álbum, "Para Amália", um duplo CD, que inclui participações do ator Rogério Samora e da cantora espanhola Martirio, é editado em outubro.

Mísia (Reuters Arquivo)

Mísia (Reuters Arquivo)

© Reuters Photographer / Reuters

Mísia disse que o novo álbum é "uma prenda a Amália Rodrigues", e salientou que para si, "foi importante ter mais de 20 de anos de trabalho num reportório próprio", antes de abordar o de Amália, apesar de pontualmente ter já cantado temas da fadista falecida em 1999, nomeadamente "Lágrima" (Amália Rodrigues/Carlos Gonçalves).

"Tenho o meu repertório próprio com os meus poetas e os meus músicos", sublinhou Mísia, que acrescentou: "Quando comecei a cantar não quis apoiar-me no repertório da Amália por uma questão de prudência, mesmo, e de sentido das realidades".

"Fiz um trajeto meu, muito meu, com os meus poetas, os meus músicos, com a minha pesquisa, criando o meu próprio repertório e agora, depois de fazer o meu caminho, de mais de 20 anos, quis fazer algo inspirado no repertório de Amália", sentenciou a fadista.

A ideia do álbum surgiu em junho de 2014, quando Mísia apresentou no Festival de Fado de Madrid, o espetáculo "Tributo a Amália", e em dezembro desse mesmo ano entrou em estúdio em Lisboa, acompanhada pelos mesmos músicos com que atuou em Madrid, Luís Guerreiro na guitarra portuguesa, Daniel Pinto, na viola e viola baixo, e Fabrizio Romano, ao piano.

O duplo álbum é constituído por um CD em que Mísia interpreta, acompanhada ao piano, as composições de Alain Oulman, e de alguns poetas eruditos que Amália gravou, e no outro CD, acompanhada à guitarra e à viola, o repertório mais tradicional da fadista, nomeadamente "À janela do meu peito", "Flor de lua" e "Rosinha da serra de Arga", do folclore minhoto.

"Este disco não é exclusivamente inspirado no repertório amaliano, tem quatro temas novos que foram feitos para a Amália, já depois ter morrido", realçou Mísia.

Os temas novos são "Amália, sempre e agora", de Amélia Muge, com música de Mário Pacheco, "Uma lágrima por engano", de autoria da própria Mísia, com música de Fabrizio Romano, "Amália que não existo", de Tiago Torres da Silva, na música de Carlos Gonçalves para "Que fazes aí Lisboa", um poema que Amália gravou no seu último álbum de inéditos, "Obsessão" (1989), e "Madrinha de nossas horas", de Mário Cláudio, na melodia tradicional do Fado Idanha, de Ricardo Borges de Sousa. 

O álbum inclui ainda o tema "María la portuguesa", de Carlos Cano, que compôs esta canção para Amália, e com a qual gravou, e que Mísia interpreta com Martirio.

"A biografia de Amália continua-se a fazer", sustentou Mísia, para quem a criadora de "Povo que lavas no rio", é "sempre nova e diferente". "O youtube e o tempo trabalham a favor de Amália", sentenciou.

Para Mísia "o papel de Amália não foi ainda suficientemente reconhecido e referenciado" na proclamação do Fado como património Imaterial da Humanidade, pela UNESCO.

Amália, sobre Mísia, afirmava: "esta ao menos não imita ninguém", disse a fadista à Lusa, que citou "pessoas que conviveram com Amália Rodrigues, fadista e poetisa falecida em outubro de 1999.


Lusa

  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.