sicnot

Perfil

Cultura

Mísia edita duplo CD de homenagem a Amália Rodrigues com quatro inéditos

 A fadista Mísia afirmou à Lusa que o seu novo álbum, "Para Amália", um duplo CD, que inclui participações do ator Rogério Samora e da cantora espanhola Martirio, é editado em outubro.

Mísia (Reuters Arquivo)

Mísia (Reuters Arquivo)

© Reuters Photographer / Reuters

Mísia disse que o novo álbum é "uma prenda a Amália Rodrigues", e salientou que para si, "foi importante ter mais de 20 de anos de trabalho num reportório próprio", antes de abordar o de Amália, apesar de pontualmente ter já cantado temas da fadista falecida em 1999, nomeadamente "Lágrima" (Amália Rodrigues/Carlos Gonçalves).

"Tenho o meu repertório próprio com os meus poetas e os meus músicos", sublinhou Mísia, que acrescentou: "Quando comecei a cantar não quis apoiar-me no repertório da Amália por uma questão de prudência, mesmo, e de sentido das realidades".

"Fiz um trajeto meu, muito meu, com os meus poetas, os meus músicos, com a minha pesquisa, criando o meu próprio repertório e agora, depois de fazer o meu caminho, de mais de 20 anos, quis fazer algo inspirado no repertório de Amália", sentenciou a fadista.

A ideia do álbum surgiu em junho de 2014, quando Mísia apresentou no Festival de Fado de Madrid, o espetáculo "Tributo a Amália", e em dezembro desse mesmo ano entrou em estúdio em Lisboa, acompanhada pelos mesmos músicos com que atuou em Madrid, Luís Guerreiro na guitarra portuguesa, Daniel Pinto, na viola e viola baixo, e Fabrizio Romano, ao piano.

O duplo álbum é constituído por um CD em que Mísia interpreta, acompanhada ao piano, as composições de Alain Oulman, e de alguns poetas eruditos que Amália gravou, e no outro CD, acompanhada à guitarra e à viola, o repertório mais tradicional da fadista, nomeadamente "À janela do meu peito", "Flor de lua" e "Rosinha da serra de Arga", do folclore minhoto.

"Este disco não é exclusivamente inspirado no repertório amaliano, tem quatro temas novos que foram feitos para a Amália, já depois ter morrido", realçou Mísia.

Os temas novos são "Amália, sempre e agora", de Amélia Muge, com música de Mário Pacheco, "Uma lágrima por engano", de autoria da própria Mísia, com música de Fabrizio Romano, "Amália que não existo", de Tiago Torres da Silva, na música de Carlos Gonçalves para "Que fazes aí Lisboa", um poema que Amália gravou no seu último álbum de inéditos, "Obsessão" (1989), e "Madrinha de nossas horas", de Mário Cláudio, na melodia tradicional do Fado Idanha, de Ricardo Borges de Sousa. 

O álbum inclui ainda o tema "María la portuguesa", de Carlos Cano, que compôs esta canção para Amália, e com a qual gravou, e que Mísia interpreta com Martirio.

"A biografia de Amália continua-se a fazer", sustentou Mísia, para quem a criadora de "Povo que lavas no rio", é "sempre nova e diferente". "O youtube e o tempo trabalham a favor de Amália", sentenciou.

Para Mísia "o papel de Amália não foi ainda suficientemente reconhecido e referenciado" na proclamação do Fado como património Imaterial da Humanidade, pela UNESCO.

Amália, sobre Mísia, afirmava: "esta ao menos não imita ninguém", disse a fadista à Lusa, que citou "pessoas que conviveram com Amália Rodrigues, fadista e poetisa falecida em outubro de 1999.


Lusa

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.