sicnot

Perfil

Cultura

Mãe que quer livros em português para ler à filha cria livraria virtual no Reino Unido

A frustração com a falta de acesso a livros infantis em língua portuguesa para ler à filha levou Carla Cruz, instalada em Londres há seis anos, a criar a Miúda, uma livraria virtual. 

miudabooks.co.uk

O projeto, contou à agência Lusa, nasceu da "luta quotidiana para manter ativo o português" da filha de dois anos e meio, que vive num ambiente trilingue: nasceu no Reino Unido e tem um pai de nacionalidade suíça.

Para Carla Cruz, "os livros são essenciais" para manter a ligação à língua e cultura portuguesa, mas deparou-se com a dificuldade de encontrar obras atuais na capital britânica ou de os trazer na bagagem "porque são muito pesados".

Por outro lado, ler em português os livros ingleses "é difícil reproduzir a poesia e riqueza da língua" e limita o vocabulário àquele que usa no quotidiano para comunicar com a filha. 

Ao refletir sobre o seu próprio dilema, pensou que este poderia ser partilhado com outros pais portugueses ou lusófonos residentes no território britânico e que este era "um nicho de mercado interessante para explorar". 

O passo seguinte foi contactar editoras em Portugal e há um mês atrás, em abril, abriu a loja [ www.miudabooks.co.uk/], onde tem atualmente à venda 16 livros de quatro editoras para um público pré-escolar. 

"Escolhi os livros que eu gosto, pelas ilustrações maravilhosas e histórias pouco usuais. Talvez por ter formação em arte, gosto de coisas fora do normal", admitiu a programadora cultural.

Fora os exemplares que guardou para ler à própria filha, falta ainda a Carla Cruz realizar a primeira transação, apesar das "muitas visitas e respostas positivas" nas redes sociais. 

Segundo a empreendedora, "a prova de fogo" vai ser no dia 14 de junho, nas celebrações em Londres do Dia de Portugal, no parque de Streatham Common, onde terá um espaço de venda. 

Além de negócio, quer recolher opiniões sobre que tipo de livros podem ter mais procura. 

"Quero oferecer um serviço à comunidade que fala português", vincou. 


Lusa
  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.