sicnot

Perfil

Cultura

Fazer um filme em 48 horas, a partir de sexta-feira em Lisboa

Lisboa volta a juntar-se, na sexta-feira, à "maior competição de curtas-metragens do planeta" ao acolher uma nova edição do "48 Hour Film Project", com os participantes a terem de fazer um filme em 48 horas.

Francisco Seco

Esta será a quinta vez que Lisboa acolhe a iniciativa internacional, que desafia realizadores amadores e profissionais a fazerem uma curta-metragem em dois dias. Só no próprio dia é que os participantes sabem o género do filme e a inclusão de três elementos obrigatórios.

O "48 Hour Film Project" aconteceu pela primeira vez em 2001 em Washington, nos Estados Unidos, e atualmente realiza-se em mais de 130 cidades. "Em quase todos os fins-de-semana numa parte do mundo acontece um 48 Hour", afirmou à agência Lusa João Loff, produtor da edição lisboeta de 2015.

Este ano estão inscritas dez equipas para realizar um filme cujo arranque de rodagem começa às 18:00 de sexta-feira, com ponto de encontro no Centro de Artes Culinárias, no mercado de Santa Clara, e que termina no domingo ao final do dia no Hard Rock Café.

As curtas-metragens que forem concluídas e admitidas estrearão no dia 28 de junho, no cinema São Jorge, e a que for escolhida como vencedora irá competir com filmes de todo o mundo no Filmapalooza, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

A última vez que Lisboa acolheu o "48 Hour Film Project" foi em 2012. Na altura a produtora que organizava a maratona em Lisboa seguiu outro rumo e nos dois anos seguintes não houve iniciativa lisboeta.

João Loff, que venceu a edição de 2012 com o filme "Os indomáveis", decidiu pegar novamente no projeto, realizando-o no fim-de-semana que coincide com o solstício de verão.

De acordo com o produtor, habitualmente entre os participantes "há um bocado de tudo, profissionais, amadores, estudantes, gente da publicidade", mas este ano há menos estudantes - porque a maratona coincide com época de exames - e a média de idades é acima dos trinta.

Além de Lisboa, também Castelo Branco aderiu à iniciativa internacional, tendo realizado a maratona de curtas-metragens em fevereiro passado, da qual saiu vencedor o filme "Do céu já não caem lágrimas", de João Pedro Nunes.

Lusa
  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida