sicnot

Perfil

Cultura

Casa Bernardo Sassetti pede ajuda para inventariar espólio deixado por músico

A Casa Bernardo Sassetti precisa de apoio para inventariar e catalogar o espólio deixado pelo músico e compositor que dá nome à instituição, disse à Lusa o membro da direção Pedro Sassetti Paes. 

LUSA (Arquivo)

"Nós temos um problema muito grande que é o seguinte: a organização, a catalogação, a inventariação de todo o material que ele deixou tem sido feita aos poucos, mas precisamos claramente e urgentemente de parceiros, pessoas profissionais e também amigos generosos que nos possam apoiar nesta atividade", afirmou Pedro Sassetti Paes. 

 
 

O irmão do músico que morreu em maio de 2012 recordou que a Casa Bernardo Sassetti concorreu a um apoio da Fundação Calouste Gulbenkian no ano passado com o objetivo de realizar esta tarefa de inventário e catalogação, mas sem sucesso. 

 
 

A Casa Bernardo Sassetti foi criada em setembro de 2012 e tem por missão "promover a obra do Bernardo enquanto compositor, enquanto músico e também na área da imagem, enquanto realizador, pintor e fotógrafo". 

 
 

"Para promover esta obra era fundamental desde logo salvaguardar o espólio. Ele deixou uma quantidade enorme de peças e de obras e de fotografia por tratar, por inventariar, por catalogar", sublinhou Pedro Sassetti Paes, tratando-se de um "trabalho que é complexo, porque ele deixou muita coisa, não só em termos de material áudio, mas também material escrito, partituras, fotografias, filmes inacabados". 

 
 

Nesse sentido, a Casa Bernardo Sassetti procura levar a cabo uma série de iniciativas, que vão de uma exposição de fotografia itinerante à edição de trabalhos do músico, para além de um concerto anual de homenagem ao artista, que este ano se vai realizar a 28 de junho na Casa da Música, no Porto. 

 
 

Adicionalmente, a sessão do longo improviso intitulado "Piano, Espaço e Momento" e estreado no Pavilhão de Portugal, em Lisboa, no ano de 2007 a convite da Trienal de Arquitetura de Lisboa, deverá ser editada no próximo ano. 

 

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é portuguesa e há uma outra portuguesa desaparecida. Entretanto, uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Cambrils. As buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42