sicnot

Perfil

Cultura

DocLisboa 2015 dedica retrospetiva ao "fenómeno do terrorismo"

A representação do terrorismo no cinema e a forma como os realizadores o encaram será o tema de uma retrospetiva no DocLisboa, o festival dedicado ao documentário, marcado para outubro, na capital, foi hoje anunciado.

© Feisal Omar / Reuters

A 13.ª edição, com parte da programação hoje revelada, decorrerá de 22 de outubro a 01 de novembro.

"Apresentaremos um grande número de filmes, muitos deles inéditos em Portugal, que colocam o problema do terrorismo, antes de mais, como um desafio às comunidades, mas também ao cinema", afirmou a direção do DocLisboa, que integra Cíntia Gil, Davide Oberto e Tiago Afonso.

Com o título "I don't throw bombs, I make films -- Terrorismo, Representação", a retrospetiva exibirá mais de uma dezena de filmes já confirmados, feitos entre a década de 1960 e a atualidade, e muitos deles "realizados por membros de diferentes lutas armadas, que viram no cinema espaço de reflexão mas também de elaboração ideológica".

O DocLisboa terá ainda outra retrospetiva, dedicada ao realizador sérvio Zelimir Zilnik, "o primeiro a fazer a crónica da desintegração da Jugoslávia", para quem "o cinema é um meio genuinamente democrático".

Quanto ao desenho da programação, a direção revelou que a competição portuguesa incluirá curtas e longas-metragens na mesma secção, "sem limites de formatos ou durações", produzidas em 2014 e 2015.

Dentro da secção "Riscos" haverá ainda dois autores em foco: o documentarista e antropólogo norte-americano Robert Gardner, falecido em 2014, e a realizadora Anne Charlotte Robertson, que registou de forma documental, ao longo de mais de 15 anos, a sua condição de distúrbio mental.

Nesta edição, o DocLisboa terá uma nova iniciativa, batizada de "Arché", composta por "um conjunto de actividades profissionais" para realizadores e produtores, nomeadamente oficinas de escrita, de visionamento e discussão de projectos em curso e encontros individuais com convidados.

O DocLisboa é organizado pela associação cultural Apordoc -- Associação pelo Documentário e decorrerá no cinema São Jorge, na Culturgest e na Cinemateca, no Cinema Ideal, no Cinema City Campo Pequeno e no Museu da Electricidade.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.