sicnot

Perfil

Cultura

DocLisboa 2015 dedica retrospetiva ao "fenómeno do terrorismo"

A representação do terrorismo no cinema e a forma como os realizadores o encaram será o tema de uma retrospetiva no DocLisboa, o festival dedicado ao documentário, marcado para outubro, na capital, foi hoje anunciado.

© Feisal Omar / Reuters

A 13.ª edição, com parte da programação hoje revelada, decorrerá de 22 de outubro a 01 de novembro.

"Apresentaremos um grande número de filmes, muitos deles inéditos em Portugal, que colocam o problema do terrorismo, antes de mais, como um desafio às comunidades, mas também ao cinema", afirmou a direção do DocLisboa, que integra Cíntia Gil, Davide Oberto e Tiago Afonso.

Com o título "I don't throw bombs, I make films -- Terrorismo, Representação", a retrospetiva exibirá mais de uma dezena de filmes já confirmados, feitos entre a década de 1960 e a atualidade, e muitos deles "realizados por membros de diferentes lutas armadas, que viram no cinema espaço de reflexão mas também de elaboração ideológica".

O DocLisboa terá ainda outra retrospetiva, dedicada ao realizador sérvio Zelimir Zilnik, "o primeiro a fazer a crónica da desintegração da Jugoslávia", para quem "o cinema é um meio genuinamente democrático".

Quanto ao desenho da programação, a direção revelou que a competição portuguesa incluirá curtas e longas-metragens na mesma secção, "sem limites de formatos ou durações", produzidas em 2014 e 2015.

Dentro da secção "Riscos" haverá ainda dois autores em foco: o documentarista e antropólogo norte-americano Robert Gardner, falecido em 2014, e a realizadora Anne Charlotte Robertson, que registou de forma documental, ao longo de mais de 15 anos, a sua condição de distúrbio mental.

Nesta edição, o DocLisboa terá uma nova iniciativa, batizada de "Arché", composta por "um conjunto de actividades profissionais" para realizadores e produtores, nomeadamente oficinas de escrita, de visionamento e discussão de projectos em curso e encontros individuais com convidados.

O DocLisboa é organizado pela associação cultural Apordoc -- Associação pelo Documentário e decorrerá no cinema São Jorge, na Culturgest e na Cinemateca, no Cinema Ideal, no Cinema City Campo Pequeno e no Museu da Electricidade.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.