sicnot

Perfil

Cultura

Filmes lusófonos e hispânicos reunidos no Porto para o festival NAU

A quarta edição do NAU - Festival de Cinema e Artes de Expressão Ibérica arranca esta sexta-feira e prolonga-se até domingo, reunindo, na Biblioteca Almeida Garrett do Porto, filmes dos universos lusófono e hispânico que refletem sobre uma "herança comum".

© Reuters Photographer / Reuter

A organização refere na página oficial da internet do festival que o NAU pretende "refletir assuntos culturais ou históricos de alguma forma relacionados com esta herança comum" entre falantes das línguas portuguesa e castelhana, acrescentando que "o desafio é descobrir, hoje e mais uma vez, a arte e o mundo através da nossa língua".

De acordo com informações a que a agência Lusa teve hoje acesso, serão apresentados filmes de Portugal e também de outros países e regiões de língua portuguesa, como Angola, Brasil, Cabo Verde, Goa, Guiné-Bissau, Macau, Macata, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

Também contempladas no programa surgem produções espanholas e de vários países da América Latina, como Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, El Salvador, Guatemala, Haiti, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

As várias produções, exibidas ao longo de cinco sessões, serão avaliadas por um júri composto pela artista plástica Helena Medeiros, pelo dramaturgo Jorge Palinhos, pelo encenador Luís Mestre e pelo cineasta Tiago Afonso.

Dos vários trabalhos cinematográficos que serão apresentados encontram-se "Mi Primer Beso", do espanhol Albert Manich, "Teresa", do brasileiro Lilih Curi e "Alegria do Lar", da portuguesa Ana Isabel Martins, entre muitos outros.

Para além do cinema, também a fotografia, o teatro e os audiovisuais em geral estão incluídos nesta quarta edição do NAU, onde se exploram "vocábulos, modos de expressão, intenções, objetivos e conceitos que nos são próprios e que nos distinguem", realçam os promotores do festival, que é organizado pelo D.A.S (Desenvolvimento Artes Associação).

O evento abre com um espetáculo de dança, ao ritmo do flamenco, com Charlotte Bispo e Nancy Fonseca a subirem ao palco pelas 21:30.

No sábado, entre duas sessões dos filmes a concurso, haverá lugar para uma conferência intitulada "Haja Luz", na qual o tema será a "fonte da vida nas artes", tendo como oradores a jornalista e escritora Vanessa Ribeiro Rodrigues, o arquiteto e fotógrafo Francisco Varela, o designer de luz José Nuno Sampaio e ainda o realizador Luís Miranda.

No domingo, serão entregues, pelas 21:30, os prémios aos filmes e autores distinguidos, sendo esta quarta edição encerrada às 22:15 com uma sessão de fados.

Lusa

  • Escritor e filólogo Frederico Lourenço distinguido com o Prémio Pessoa 2016

    Cultura

    O escritor, tradutor, professor universitário Frederico Lourenço foi distinguido com o Prémio Pessoa 2016. O anúncio foi feito hoje pelo presidente do júri, Francisco Pinto Balsemão, no Palácio de Seteais, em Sintra, sublinhando que a atividade de Frederico Lourenço tem como "traço singular" ter oferecido "à língua portuguesa as grandes obras de literatura clássica".

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Explosão no Cairo faz seis mortos

    Mundo

    Seis pessoas morreram hoje numa explosão junto a um posto de controlo da polícia no Cairo, indicaram os meios de comunicação social e responsáveis egípcios.