sicnot

Perfil

Cultura

Singularidade da luz de Lisboa alvo de exposição no Terreiro do Paço

A singularidade da luz de Lisboa vai ser alvo de uma exposição que é inaugurada na quinta-feira, no Museu de Lisboa - Torreão Poente, no Terreiro do Paço, onde ficará patente até 20 de dezembro deste ano.

Armando Franca

Enaltecida por poetas e escritores, pintores, fotógrafos e cineastas, portugueses e estrangeiros, em várias das suas obras artísticas, a luz natural de Lisboa, considerada um ícone imaterial da cidade, vai ser celebrada nesta exposição concebida pelo Museu de Lisboa.

De acordo com a produtora A Terra Esplêndida, a exposição "A Luz de Lisboa" é organizada pela Câmara Municipal de Lisboa e a EGEAC, empresa municipal da cidade responsável pela Gestão de Equipamentos e Animação Cultural.

"A Luz de Lisboa" aborda não só questões científicas sobre as propriedades dessa luz, como faz um percurso sobre a descoberta da presença e da influência da luz de Lisboa em manifestações da arte e da cultura visual, do século XX ao século XXI.

O objetivo é apresentar uma exposição sobre o fenómeno mundialmente reconhecido da luz natural de Lisboa, considerada única e especial, questionando, a nível científico, a especificidade da luz de Lisboa e ajudando a compreender as suas singularidades objetivas e subjetivas.

Comissariada por Ana Eiró, professora de Física e ex-diretora do Museu Nacional de História Natural e da Ciência, e por Acácio de Almeida, diretor de fotografia no cinema português e estrangeiro, a exposição conta ainda com a parceria do programa Imagens de Marca e com apoio da Fundação EDP, do Museu Nacional de Arte Contemporânea, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, da Videoteca de Lisboa e do Cinema São Jorge, entre outras instituições.

Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".